A experiência é algo realmente aterrorizante, do tipo de a que um personagem de filme de terror seria submetido. O indivíduo acorda e não consegue se mover, não consegue sequer gritar por socorro.

Pode ter a sensação de estar naquele momento sendo observado por uma criatura maligna, que pode estar por perto - ou ainda pior - sobre seu corpo, sufocando-o. Alucinações e a sensação de estar morrendo também são comuns nesses casos.

Essas características se prestam facilmente as especulações fantásticas de todo tipo. Em certas culturas, a ocorrência do fenômeno já foi atribuída à ação de demônios e espíritos. Alguns acreditam que ela pode explicar as experiências de algumas pessoas que dizem ter sido abduzidas por alienígenas.

Publicidade
Publicidade

Porém, há uma explicação natural: a paralisia do #Sono, que é um distúrbio do sono.

Durante a fase REM do sono (caracterizada por movimentos rápidos dos olhos e na qual os sonhos são mais frequentes), o corpo libera glicina e gaba (ácido gama-aminobutírico), substâncias que paralisam músculos, impedindo que o indivíduo aja de acordo com seus sonhos e acabe se machucando (ou machucando os outros). Se o indivíduo acorda no meio dessa fase, ela pode recuperar a consciência antes que o efeito paralisante sobre os músculos tenha se dissipado.

Caso isso ocorra, tem-se o caso de um cérebro desperto preso em um corpo que ainda não "acordou" direito. O estado hipervigilante do cérebro nessas condições explica que ele esteja esperando um ataque e tenha a impressão de há uma presença maligna por perto.

Publicidade

Outras características que, embora menos comuns, também podem acompanhar a #paralisia do sono são sensações como a de ter deixado o corpo, estar levitando ou estar caindo. A duração da paralisia do sono é variável, geralmente durando de alguns poucos segundos a cerca de cinco minutos.

Pesquisas tentando avaliar quão comum é o fenômeno apresentam resultados radicalmente diferentes quanto à proporção das pessoas que já passaram por ele pelo menos uma vez. Os números variam de 5% a 60% da população. Sabe-se que muitas pessoas (provavelmente, a maioria delas) nunca passaram por essa experiência, algumas passaram algumas poucas vezes e algumas, infelizmente, passaram por ela várias vezes.

Sabe-se que algumas circunstâncias aumentam as chances de sofrer um caso de paralisia do sono. O uso excessivo de estimulantes, cansaço físico, insônia, rotina de sono irregular e o uso de certos remédios estão entre essas circunstâncias. #Dormir