Publicidade
Publicidade

Relações familiares muitas vezes têm desfechos tristes e complicados. Uma mãe britânica acabou matando a própria filha, após ter um tumultuado processo de separação. O caso aconteceu na cidade de Stoke-on e chocou o mundo inteiro. Cody-Anne Jackson matou a filha, que tinha apenas dois anos de idade. Após sufocar a garotinha até a morte, a britânica ainda tentou se matar. No entanto, a mulher não conseguiu cometer o suicídio. A jovem mãe, que tem apenas 20 anos, negou as informações de que teria matado a bebê. No entanto, Cody-Anne deixou provas de que teria cometido a ação criminosa.

Mulher envia foto antes de matar menina bebê

A principal prova de que isso ocorreu foi que ela mandou as fotos da garota antes da morte.

Publicidade

Nas mensagens, ela pede desculpa pelos seus atos e manda para o ex-marido, Paul Hogan, a foto da menina. Em seguida, ela diz que pensou que o ex-companheiro merecia uma foto da menina como memória."Essa será sua última lembrança dela", disse a mulher na mensagem que acabou fazendo Cody-Anne Jackson ser presa. O pai desesperado chamou ajuda, mas o bebê foi encontrado já sem vida na cama em que um dia o casal manteve relações íntimas.

Mãe tenta suicídio após dar cabo de bebê para irritar ex-marido

A britânica tentou se matar após o ato horrendo feito com o seu bebê. A polícia notou que ela tentou cortar os pulsos. No entanto, todas as marcas no corpo da mulher eram superficiais. A mulher chegou, inclusive, a escrever uma carta suicida. No conteúdo, a mãe que teve coragem de matar a filha de dois anos diz que não quer deixar a filha para trás antes de se matar.

Publicidade

Macey, a menina que não sobreviveu ao ataque da sua própria progenitora, segundo a britânica, não tinha mais nada para viver no mundo agora que sua família estava destruída.

Os detalhes da morte da menina e a condenação

A mulher de 20 anos acabou sendo levada ao tribunal. No julgamento, fotos da menina e detalhes da perícia foram exibidos. Ela matou a garota usando uma almofada. A mulher sufocou a garotinha com um travesseiro, até que não conseguisse mais respirar. A mulher foi descrita, no tribunal de Stafford, como "socialmente isolada".A condenação da britânica deve ser dada nas próximas semanas. A previsão é que o julgamento demore, no mínimo, três semanas. Em sua defesa, a assassina explica que não notou que a filha estava morta. O bebê ficou horas ao seu lado frio, até que as autoridades fossem ver a menor. #Crime #Investigação Criminal