Na escola, aprendemos que a função dos seres humanos é nascer, crescer e se reproduzir. No entanto, o assunto reprodução é muito mais amplo do que esse simples conceito. Por trás do ato íntimo, especialmente com a globalização e o maior número de parceiros dos indivíduos ativos sexualmente, o aparecimento das chamadas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs) também foi notório. Para evitar essas enfermidades incômodas, especialistas indicam o que deve ser feito no dia a dia e o que deve ser evitado após o ato sexual. Em entrevista ao 'Bem Estar', da TV Globo', diversos especialistas abordaram o assunto e esclareceram a população sobre um assunto, no mínimo, complexo.

Publicidade
Publicidade

Não prenda a urina após o ato sexual. Atitude pode gerar infecções

O urologista Leonardo Lima e o ginecologista José Bento lembraram que a uretra da mulher é muito menor do que a do homem e, por isso, as infecções urinárias acabavam sendo bem mais comuns. O canal delas é bastante pequeno, o que facilita com que os fungos e bactérias cheguem mais rapidamente. Por isso, após a atividade sexual, jamais a mulher deve prender a urina. Ao fazer xixi, a representante do gênero feminino, segundo os médicos ouvidos pelo 'Bem Estar', na verdade, está fazendo o que podemos chamar de "sistema de auto-limpeza". O xixi acaba limpando todo o canal da uretra e jogando para fora as bactérias ou, pelo menos, boa parte delas.

Por isso, após o ato sexual, os médicos recomendam que as mulheres urinem.

Publicidade

Caso ela não faça isso, a imunidade da área vaginal pode ser afetada e a mulher contrair doenças. Esse tipo de ação também acaba favorecendo as chances dela ficar grávida. Uma gravidez inesperada pode trazer muitos problemas para elas, especialmente em tempos em que a mulher trabalha muito.

Nada de usar roupas molhadas: você pode contrair a candidíase

Quem também conversou com o 'Bem Estar' foi Rosana Richtmann. Em entrevista à jornalista Daiana Garbin, Rosana, que trabalha como infectologista, falou sobre outro problema que pode ou não ser relacionado ao sexo. Ela lembrou que, após o ato íntimo, as pessoas podem suar e ficar com as roupas úmidas ou molhadas. Dessa forma, essas peças devem ser sempre trocadas e a pessoa deve tomar um banho. É preciso também ter cuidado para se enxugar corretamente, antes de vestir uma nova peça. Pessoas que saem da academia ou da praia e ficam com a roupa molhada por muito tempo também podem contrair essa doença, que é transmissível ao parceiro durante o ato sexual. #sexo #Saúde