A troca de nudes chegou a um ciclo bem preocupante, recentemente a polícia inglesa indiciou um garotinho de apenas 5 anos de idade porque ele enviou #nudes de si mesmo para outra criança, através de um iPad. Provavelmente fez isso na inocência por já ter visto algum adulto fazendo o mesmo ou por achar natural. Contudo, o caso transformou-se num inquérito policial, pois tanto na Inglaterra quanto no Brasil, o envio ou compartilhamento de fotos eróticas de #crianças e adolescentes, mesmo que seja da própria pessoa, é considerado crime de pornografia infantil, em caso de adulto punido com prisão.

O fato ocorreu no dia 10 de julho e o garotinho não será incriminado judicialmente, segundo explicou o policial que atuou no caso.

Publicidade
Publicidade

Porém, resultou num grande barulho já que a batalha contra a pornografia infantil vem crescendo no mundo. No nosso país é comum garotas compartilharem fotos íntimas e não serem castigadas porque os juízes preferem minimizar o ocorrido, optando por aplicar a lei se houver vazamento das fotos, conforme explicação passada por um advogado especializado no assunto.

De acordo com Brenda Fukuta, da UOL HOST, a sexualidade é uma coisa que já é latente em bebês e crianças, e os pais devem se acostumar com isso, muito embora não precise escancarar para o mundo. Até porque a prática do nudes é uma coisa comum entre as pessoas. Segundo pesquisa feita pelo Ibope/Conecta em 2015, mais da metade das 2 mil pessoas entrevistadas disseram já ter recebido nudes alguma vez. Logo, se as crianças gostam de copiar tudo que os adultos fazem, e com a facilidade de acesso à internet é natural que a curiosidade os tenha levado a imitá-los, seria mais uma prática inocente na visão deles.

Publicidade

Brenda diz que não vê o nudes como um problema e cita um estudo feito pela psicóloga Elizabeth Eglander com 617 jovens de 18 anos nos EUA. Desse total cerca de 80% afirmou não ter se arrependido de enviar fotos sensuais aos parceiros, pois não foram vazadas. Porém, há que se ficar atento a um grupo de risco, as meninas com baixa autoestima que praticam o sexting (divulgação de fotos eróticas), por pressão dos meninos e acabam se decepcionando.

Qual a recomendação para os pais? Não adianta desconectá-los da internet, isso geraria outro problema o melhor é conversar abertamente sobre violência de gêneros e sexualidade, inclusive com os pequenos. Eles devem entender que sexo não é uma coisa feia, que todos praticam, mas na hora certa.