O sutiã já foi visto como uma forma de libertação por mulheres que o adotaram de preferência ao tipo de roupa que suas mães e avós usavam e já foi considerado por feministas do final dos anos 60 e começo dos anos 70 como um símbolo da submissão da #Mulher e do interesse masculino pela aparência dela em vez de por sua personalidade. Apesar da lenda difundida desde então, porém, #sutiãs não foram queimados diante do local onde se realizava o concurso de Miss America em 1968. Produtos identificados pelas feministas com a submissão da mulher ao homem foram jogados por ativistas em uma "lata de lixo da liberdade". Uma repórter comparou a manifestação com a atitude de homens que, para protestar contra a Guerra do Vietnã, que estava a pleno vapor então, queimavam seus cartões de alistamento militar.

Publicidade
Publicidade

E assim se fez o mito.

Em todo caso, o sutiã ganhou mais um inimigo, um inimigo com um argumento que poderá ser mais convincente para as mulheres do que a pregação das feministas mais radicais jamais foi. O médico francês Jean Denis Rouillon, especializado em esportes, garante que a peça de roupa, ao contrário do que dizem o senso comum e a propaganda de seus fabricantes, é ruim para a sustentação dos seios das mulheres, deixando-os, na verdade, mais caídos do que deveriam.

Embora muito da repercussão na imprensa das ideias do doutor Rouillon tenha sido positiva, algumas pessoas têm criticado o médico afirmando que as observações dele foram bem menos sistemáticas do que deveriam ser para ter valor científico e criticando a metodologia dele. O próprio médico admite que como suas "cobaias" têm sido mulheres relativamente jovens, de entre 18 e 30 anos, ele não pode garantir que suas ideias sejam relevantes para as mulheres de meia-idade ou que já passaram por vários partos e períodos de amamentação.

Publicidade

Ainda assim, entre as mulheres que pararam de usar a peça durante pesquisa na cidade de Besançon há quem defenda entusiasticamente a decisão e não queira adotar de novo o sutiã.

Segundo o doutor Rouillon, as mulheres que pararam de usar o sutiã apresentaram, em média, seios mais elevados. O doutor acredita que os corpos das mulheres que usam o sutiã passam a produzir menos colágeno, proteína responsável pela elasticidade da pele e pela sustentação dos seios.

Por outro lado, os corpos das mulheres que abandonam a peça na juventude, teoriza o médico, produzem bastante colágeno, o que mantém os seios erguidos por mais tempo. O tempo dirá se as teorias do ousado professional de saúde, que também acredita que o sutiã atrapalha a respiração (de certa forma, então, as feministas dos anos 70 estariam certas: o sutiã é uma arma do patriarcado para sufocar as mulheres, só que literalmente, não metaforicamente) serão saudadas pela história ou desprezadas como um exemplo de esquisita obsessão.

O que se pode dizer, com certeza, por enquanto, é que um médico francês crê ter identificado uma série de males causada pela icônica peça de roupa e que algumas mulheres que experimentaram libertar seus seios dela concordam com ele.

Publicidade

Talvez, e especialmente para quem não gosta do sutiã e só usa por "obrigação", seja o caso de experimentar para ver o que vai acontecer.