Publicidade
Publicidade

Como noticiado nesta quinta-feira (8) pelo jornal ‘O Dia’, uma empresa japonesa especializada em componentes de alta precisão usou sua expertise para fabricar um ‘hand #spinner’ capaz de girar por 12 minutos, duração três vezes maior que a média dos ‘spinners’ convencionais encontrados no mercado. A NSK Micro Precision batizou o produto de ‘Saturn Spinner’ e, para conseguir este feito, a empresa diz que usou a mesma tecnologia utilizada em discos rígidos e até mesmo em satélites.

O ‘super spinner’ japonês custa 17.280 ienes – algo em torno de R$ 495,00 – ou seja, bem mais caro que a maioria dos encontrados no mercado, que custam em média R$ 50,00.

Publicidade

A febre dos spinners nesta segunda metade dos anos 2000 pode ser comparada a outros modismos de outrora. Abaixo veja uma lista com alguns brinquedos famosos na década de 1980.

Ioiôs Coca-Cola

Crianças, adolescentes e também adultos demonstravam toda a sua habilidade – ou a falta dela – em intrincadas manobras com o brinquedo.

Bambolê

A formatação deste brinquedo como conhecido atualmente, um aro de material plástico e colorido, deu-se em 1958 nos Estados Unidos. Se hoje em dia ele tem o aval de profissionais de educação física que atestam que o brinquedo é um bom exercício físico, na década de 1980 não era uma atividade muito recomendada para os garotos que não quisessem ter sua masculinidade questionada por seus colegas.

Bat-beg

Também chamado de bate-bate, quebra-dedo (entre outros nomes) é outro exemplo de brinquedo bem conhecido na década de 1980.

Publicidade

Talvez este brinquedo empate com os spinners em nível de chatice. Sendo que o bat-beg é um tanto desafiador, somente os fortes de espírito e candidatos a guerreiros ousavam aderir a este modismo, por motivos óbvios.

Genius

O produto da famosa marca de brinquedos de São Paulo Estrela era um círculo com quatro cores que se iluminavam e o brinquedo também emitia sons, que os participantes teriam que memorizar e repetir as sequências apresentadas pelo jogo. Sucesso entre nerds, numa época em que esse termo era algo pejorativo.

Cubo de Rubik

Provavelmente poucas pessoas irão saber do que se trata isto, mas se falar ‘cubo mágico’ para alguém com mais de 35 anos, é bem capaz de ser visto um brilho no olhar desta pessoa, que provavelmente irá lembrar-se das horas (ou talvez dias) que tenha gastado para tentar resolver este quebra-cabeça tridimensional.

Talvez fosse isso o que estivesse faltando para esta nova geração, ter do que se envergonhar daqui a vinte anos. Se quem viveu a década de 1980 tem vergonha de um dia ter usado mullets, quem brinca com um spinner é um bom candidato a pagação de mico. #cocacola #cubomagico