Já imaginou acordar e descobrir que você está no ano errado. Que quase três séculos da história foram inventados e que na verdade você vive “no passado”, em pleno ano de 1720.

Parece ficção científica ou mera lenda urbana, mas para o historiador alemão Heribert Illig, isso é a mais pura verdade. Ele acredita que o calendário gregoriano é grande farsa e que foram incluídos quase 3 séculos na História da Humanidade, mais precisamente 297 anos. E isso teria acontecido na Idade Média e muita coisa seria apenas invenção.

Segundo matéria do site All That Is Interesting, publicada no último dia 06. Em 1991, Illig propôs sua teoria batizada de “Hipótese do Tempo Fantasma”.

Publicidade
Publicidade

Nela, o pesquisador alemão afirma que por volta do ano 1000 d. C, ocorreu uma conspiração entre três importantes governantes para alterar o sistema de datação e com isso acrescentaram alguns anos e fatos a história do mundo.

A teoria de conspiração

Segundo a hipótese de Heribert , no ano de 996 d.C, três importantes líderes se reuniram. Eram eles Oto III (Sacro Império Romano-Germânico), Constantino VII (Imperador Bizantino) e o Papa Silvestre III. Dessa reunião veio a genial ideia de mudar o calendário, para que o reinado de Oto começasse no ano 1000. Tudo isso, porque soaria melhor do que 996, e parecia mais significativo.

Para que tudo desse certo, os três alteraram documentos da época, criando vários acontecimentos e pessoas que nunca existiram. Até personagens históricos como Carlos Magno, primeiro Imperador dos Romanos seria uma invenção e com isso mais 297 anos de pura mentira.

Publicidade

Segundo o site, Heribert alega que as pessoas acreditaram na mentira. Porque datar artefatos antigos, como da Era Medieval nem sempre é preciso, pode ocorrer erros. Além do mais, muitos historiadores acabam baseando fatos históricos a textos e documentos da Era Medieval, justamente o período em que aconteceu a "fraude" no tempo. Mas, em seu estudo existem anormalidades entre o período de 614 a 911.

Mas, quais são as evidências dele? A primeira é que entre esses dois períodos não teria acontecido nada de interessante no mundo, isso mesmo. E, que existem contradições matemáticas entre os calendários Juliano (365 dias e 25 minutos) e Gregoriano, que tem onze minutos a mais.

E, para quem acha que Illig é o único que acredita nisso, está enganado. Ele não está sozinho e um conterrâneo dele, o pesquisador alemão, Hans-Ulrich Niemitz também acredita que estamos no tempo errado e que parte da história medieval é pura invenção. Em 1995, ele lançou “Did the Early Middle Ages Really Exist? (A Idade Média no início da Idade Média?)”, no qual mostra mais evidências sobre o assunto.

Publicidade

Para Niemitz, existem 300 anos sobrando entre o ano 1 e 1500 d.C. Isso, dentro do tempo cronológico aceito pelos historiadores.

Críticos da teoria usam registros de eclipses solares que ocorreram entre os anos de 614 e 911, além de histórias que aconteceram em outras partes do mundo nesse período, comprovando assim que os 297 anos de fato existiram e que estamos no tempo certo. #IdadeMédia #tempofantasma