Publicidade
Publicidade

Os estúdios #Disney são responsáveis por mais de 50 animações direcionadas a contos clássicos, tais como Cinderela, Mulan e Pocahontas. São 57 animações clássicas no total. Destas, apenas 11 possuem roteiro original. As restantes são mentiras que a Disney contou para as pessoas para poupá-las de informações que certamente estragariam a infância.

Embora ainda mantenham seus roteiros inspirados em populares contos antigos, estas animações foram alteradas para que fossem mais ''bonitinhas'' aos olhos infantis.

Cinderela e o príncipe perseguidor obsessivo

A animação ''Cinderela'', lançada pela Disney em 1950, foi inspirada no conto ''A Gata Borralheira'', do francês Charles Perrault, escrito em 1697.

Publicidade

Na versão de Perrault, Cinderela se chama Aschenputtel e é perseguida obsessivamente pelo príncipe com o qual ela ficou, mas com quem definitivamente não deseja se casar. Ele a persegue em três momentos diferentes na história original.

Nesta versão, a moça tem poderes mágicos e faz uso deles para escapar do príncipe maníaco. Na terceira vez, o príncipe cobre as escadarias do palácio com breu.

Os sapatos de Aschenputtel ficam grudados ali, e ela se dá conta de que jamais se livrará do rapaz que a persegue com tamanha determinação. Assim, depois de muita insistência e completamente a contragosto, 'Cinderela se casa com ele.

Aladdin delinquente

A animação ''Aladdin'', de 1992, foi baseada em um dos contos de ''As Mil e Uma Noites'', uma coletânea de textos do folclore oriental que data de 850 d.C.

Publicidade

Na versão original, os desejos que Aladdin faz ao Gênio são bem diferentes daqueles que ele faz no filme da Disney. Para o primeiro desejo, o rapaz pede para ser retirado da Caverna das Maravilhas. Para o segundo, ele pede um banquete, depois do qual ele e sua mãe vendem a tigela de prata para ficar com algum dinheiro. Um detalhe precisa ser mencionado aqui: no conto original, a mãe de Aladdin está viva; o pai, no entanto, morreu - literalmente - de vergonha do filho.

O terceiro desejo é o pior de todos: a princesa Badroulbadour (que no filme é Jasmine) acabou de se casar com o filho do vizir. Todas as noites Aladdin se transporta para a alcova deles, tranca o vizir no cômodo ao lado e fica com a princesa, até que um dia, o sultão resolve desfazer o matrimônio de seu conselheiro e sua filha, uma vez que estes jamais chegam a consumá-lo.

Peter Pan e as crianças assassinas

O filme ''Peter Pan'', de 1953, foi adaptado da peça de teatro ''Peter Pan: o menino que não queria crescer'', escrita por J.M.

Publicidade

Barrie e publicada em 1904.

Na obra original, não é a fada Sininho que se morde de ciúmes de Peter Pan, a ponto de atentar contra a vida de Wendy, e sim os próprios Meninos Perdidos que, insatisfeitos com o namoro de seu líder, tentam assassinar a garota.

Mesmo o filme não é tão bonitinho como a Disney poderia desejar, pois a animação foi acusada de racismo, uma vez que um dos passatempos favoritos dos Meninos Perdidos é caçar peles-vermelhas, retratados como seres selvagens, incultos e que não sabem falar nada a não ser ''Hau!''.

Pocahontas: ela tinha apenas 10 anos

''Pocahontas'', de 1995, foi baseado nos diários do explorador John Smith, datados de 1610.

Nos diários do marinheiro, no entanto, fica claro que ele e Pocahontas jamais tiveram um envolvimento amoroso. Menos mal, afinal, à época, a garota teria apenas 10 anos, enquanto Smith tinha 27. Pocahontas chamava Smith de ''pai'', justamente em razão de sua idade.

Na realidade, a moça se casou com Kokoum, de quem realmente gostava e salvou a vida do explorador Smith ao colocar sua cabeça sobre a dele. Muitos anos depois, Pocahontas, que ficara viúva, fez uma viagem à Londres, durante a qual se casou novamente.

Ela morreu aos 22 anos de idade. O mito, endossado pela Disney, de seu romance com o colono serviu para aliviar a culpa branca pelo genocídio dos nativos americanos.

Mogli sedento de vingança

Baseado na fábula do colonialismo de Rudyard Kipling, escrita em 1894, a animação ''Mogli - O menino Lobo'', de 1967, seria infinitamente mais violenta se seguisse à risca sua versão original.

Nela, Mogli destrói povoados humanos em busca de vingança e é educado a pancadas pelo urso Balu, algo que choca os outros animais. Mais uma vez, porém, a Disney falhou miseravelmente na tarefa de tornar o filme completamente adequado; a animação nos traz o personagem Louie, o Rei dos Macacos, com todo o estereótipo negro, que canta ''quero ser como tu'', para Mogli.

Mais uma vez, a Disney é acusada de racismo, em uma época em que protestos tomavam as ruas reivindicando os direitos civis dos negros.

O que você achou das histórias originais que inspiraram os filmes da Disney?

Deixe sua opinião nos comentários. #curioso #Cinema