Publicidade
Publicidade

A gravidez [VIDEO]é um dos momentos mais importantes na vida de uma mulher. Através dela é que a vida se inicia e as crianças dão seus primeiros passos nesse mundo. Todas as #mães se preocupam com o estado de saúde de seus filhos. Ainda durante a gravidez, uma série de exames são realizados para acompanhar como está o desenvolvimento do bebê.

Hoje em dia, graças à evolução tecnológica, as coisas acabam se tornando mais fácies. Alguns exames de ultrassom, por exemplo, conseguem não somente determinar o sexo do bebê como também ter uma prévia de sua fisionomia.

Toda mulher sabe da importância das consultas de rotina para a saúde da criança, porém, a história que iremos contar hoje mostra que nem sempre toda tecnologia do mundo é capaz de explicar um verdadeiro milagre.

Publicidade

Uma mulher estava gravida de 41 semanas e se recusava a fazer os exames de rotina. Todos a aconselhavam dizendo que isso era importante tanto para sua saúde como a do bebê. Porém, ela era cabeça dura e deixou que os dias fossem passando normalmente.

Foi então que, em um belo dia, ela resolveu ir ao hospital ver como estava seu bebê. Nesse momento, a mãe teve um verdadeiro choque.

Até então, ela não acreditava nos tratamentos médicos [VIDEO]por isso tinha se recusado a ir para o hospital. Ao entrar em trabalho de parto, a mulher percebeu que tinha algo de errado com seu filho e por isso procurou ajuda médica.

Após uma análise rápida de equipe medica, eles descobriram que a criança não estava no útero da mãe, e sim em sua cavidade abdominal. Ela, na verdade, estava tendo uma gravidez conhecida como ectópica, na qual o óvulo fertilizado acaba ficando em outra parte do corpo.

Publicidade

Nesse caso, ele pode se alojar nas trompas de falópio ao invés do útero como de costume.

Esse tipo de gravidez é muito rara. Nela, o embrião fica implantado na cavidade abdominal. Para terem uma ideia, é mais raro ainda que um bebê sobreviva nessas condições, devido a fatores diversos como proteção, oxigenação e também outras funções básicas.

Após descobrirem que a criança estava em sua cavidade abdominal, os médicos então prepararam uma cirurgia para retirá-la de lá. Nesse caso, a remoção da placenta deve ser feita de maneira delicada, pois acarreta vários riscos. Felizmente e também inexplicavelmente, a criança nasceu saudável e respirando.

A mãe, orgulhosa, colocou o nome da criança de Verônica, que significa mulher vitoriosa. Mais uma caso que a ciência não soube explicar como a criança sobreviveu.

#gravidez de risco #Bebê