Publicidade
Publicidade

O período menstrual pode ser um dos momentos mais complicados durante o mês para as mulheres [VIDEO]. Algumas sentem dores e isso acaba até, muitas vezes, as impossibilitando de realizem as tarefas do dia a dia de maneira normal. Então nada melhor do que uma lei que desse a possibilidade da empregada ficar em casa, quando a Tensão Pré-Menstrual, a famosa TPM, aparecesse, não é mesmo? Pois é, recentemente uma notícia dizendo que o Congresso Nacional aprovou uma lei nesse sentido tomou conta da internet. [VIDEO]

Na suposta informação, o governo brasileiro, a partir de agora, daria três longos dias de folga para as representantes do gênero feminino que não se sentissem dispostas a trabalhar.

Publicidade

Ou seja, todos os meses a mulher teria até três dias para passar por isso. A folga poderia ser bem-vinda entre muitas mulheres, que veem tudo isso com o maior sofrimento. No entanto, como mostra o site E-Farsas, a notícia nunca passou de uma grande inverdade. Explicaremos mais sobre o tema a seguir.

Mulheres ainda não terão a licença menstrual de 3 dias no Brasil

A notícia da licença menstrual foi vista como uma das melhores notas do dia por muitas pessoas. Infelizmente, a alegria sobre o tema durou muito pouco. Não é a primeira vez que essa falsa informação toma conta da internet. O mesmo já havia acontecido em janeiro de 2016 e também em 2017. Sempre com a virada do ano, pelo visto, esse mal noticioso volta a assombrar os brasileiros. Essa não é mais uma lei trabalhista que provocaria polêmica em todo o território nacional.

Publicidade

Pelo contrário, o dado aparece com força em um momento que o presidente do Brasil, Michel Temer, tenta aprovar a polêmica mudança na previdência social.

Projeto de lei existe, mas apenas em Guarulhos

O texto falso divulgado na internet dizia que a lei valeria para todo o país, o que não é verdade. Além disso, a nota falava que o empregador deveria pagar - sem qualquer desconto - o salário da sua funcionária. Apesar de ser falsa, a notícia tem alguma base. Em 2015, um vereador de Garulhos tentou passou a tal 'Licença Menstrual'. As mulheres para terem o benefício deveriam apresentar apenas um atestado médico aos seus empregadores. A questão é que essa lei jamais chegou a ser aprovada na região, quanto mais se tornou exemplo para todo o país.

A notícia foi atualizada e teve alguns termos mudados, como o ano e o fato do projeto, ao invés da cidade de Guarulhos, contemplar todo o território nacional. Nada disso, no entanto, é verdade. #Menstruação #sistema de saúde