A confusão entre policiais militares e professores estaduais em #Greve em Curitiba, no Paraná, deixou mais de 200 feridos nesta quarta-feira (29), em frente à Assembleia Legislativa daquele estado. Os educadores estão em greve e protestavam contra a votação de projeto de lei que pretende alterar a previdência estadual. Alguns ficaram feridos gravemente.

O tumulto teve início perto das 15h, momento em que iniciava a votação do projeto pelos deputados estaduais. O confronto iniciou porque os professores, acampados no local desde a última segunda-feira (27), teriam tentado romper a faixa de segurança que a Polícia Militar (PM) colocou em torno do prédio legislativo.

Publicidade
Publicidade

Os militares reagiram à ação atirando bombas de gás lacrimogêneo, jatos d'água e balas de borracha. Mesmo com o recuo dos manifestantes a partir da reação violenta, os policiais continuaram com a ação.

Mais de cem pessoas receberam atendimento somente nos primeiros 30 minutos de confronto, conforme informou a Prefeitura de Curitiba. As informações ainda dão conta de que pelo menos 35 pessoas precisaram ser encaminhadas a hospitais da cidade e à Unidade de Pronto Atendimento. O tumulto também causou a liberação dos servidores da prefeitura - muitos auxiliaram no atendimento aos feridos -, além da retirada de crianças das escolas da região.

A nota da prefeitura informou que "algumas delas passavam mal em decorrência do gás lacrimogêneo usado pelas forças policiais na Praça Nossa Senhora de Salete (que fica em frente à Assembleia Legislativa do Paraná) para afastar os manifestantes".

Publicidade

Além disso, seis escolas que ficam próximas suspenderam as aulas.

O que diz o prefeito

Gustavo Fruet, prefeito de Curitiba, informou via Twitter que a prefeitura foi evacuada para o atendimento aos feridos. Eles também foram atendidos no Tribunal de Justiça. "Parece uma praça de guerra!", disse Fruet, também no Twitter.

Ele foi questionado por uma seguidora, que indagou "Li que o senhor nada disse a respeito da ocupação ilegal das ruas pelo Governador Campos Salles. Medo de que, prefeito?", ao que o prefeito respondeu "Falei sim e esta é a ultima preocupação neste momento. Estupidez não tem limite!". Ele ainda agradeceu ao apoio do Samu e dos servidores que auxiliaram no atendimento aos feridos.

Votação do Projeto

A sessão na Assembleia Legislativa foi parada por aproximadamente dez minutos e retomada, ao som dos gritos e explosão das bombas de efeito moral no tumulto que seguia acontecendo do lado de fora.

O referido PL foi encaminhado pelo Poder Executivo à Assembleia. O objetivo do #Governo estadual é tirar 33 mil aposentados com mais de 73 anos do fundo financeiro e transferi-los para o fundo da previdência social. Na verdade, a alteração quer transferir o pagamento das aposentadorias do Tesouro Estadual (deficitário) para os servidores e governo (superavitário). #Manifestação