O confronto entre policiais militares e professores em Curitiba, capital do Paraná, ocorrido na quarta-feira (29) deixou mais de 200 pessoas feridas. Os PMs usaram balas de borracha, jatos d'água e gás de efeito moral contra os manifestantes. A Tropa de Choque foi acionada para fazer cerco aos professores

Fontes ligadas à Polícia Militar paranaense chegaram a informar que 17 PMs foram presos ainda na quarta. Eles teriam se recusado a participar do cerco. A informação, posteriormente, foi negada pelo Estado. Mesmo assim, a Ordem dos Advogados do Brasil no PR promete investigar. "Uma vez confirmada essa informação, tomaremos uma providência em relação ao comando.

Publicidade
Publicidade

Existe a possibilidade de impetrar habeas corpus em favor desses soldados", afirmou José Carlos Cal Garcia, presidente da Comissão de Direitos Humanos.

A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) alegava ter liminar da Justiça garantindo o veto à entrada de pessoas para acompanharem a votação.

Os professores são contra o projeto de lei do #Governo que quer tirar a responsabilidade da aposentadoria de 33 mil aposentados com mais de 73 anos do Tesouro Estadual e passá-la para os servidores e governo.

Tropa de choque

O prédio da Assembleia Legislativa tinha cerco da Tropa de Choque. Segundo um dos líderes sindicais ligado aos professores, "o projeto seria votado independentemente dos protestos contrários". Então, a Polícia Militar teria avançado na direção dos manifestantes.

Alguns dos professores relataram que chegaram a levar vários tiros de bala de borracha: um deles afirmou que levou três tiros e ainda, segundo ele, outras pessoas chegaram a levar seis.

Publicidade

Prédios nas proximidades, como o Tribunal de Justiça e a própria Prefeitura se transformaram em grandes salas de atendimento aos feridos.

Feridos

Segundo a Prefeitura de Curitiba, são pelo menos 213 feridos nos confrontos desta quarta-feira (29). A Agência Estado chegou a informar que se trata de "um dos maiores confrontos da história do país envolvendo um grupo de manifestantes e a polícia". Para o Estado do Paraná, o número de feridos é 61. Desses, 21 seriam policiais militares e 40 manifestantes.

Entre os feridos estão um cinegrafista da CATVE, atingido por bala de borracha, e um cinegrafista da Band, atacado por cachorros dos policiais. O comando da PM informou que 20 soldados se feriram e que dez pessoas foram detidas, sete delas líderes sindicais ligados aos professores. #Manifestação #Greve