Após militantes de grupos de esquerda, em conjunto com alguns estudantes, ocuparem centenas de escolas em protesto contra o presidente da república, Michel Temer, o governador do Paraná começou a tomar providências contra as #Ocupações.

Nessa terça-feira, 1, a polícia militar foi acionada para fechar a entrada do Núcleo Regional de Educação, de São Francisco, que foi ocupado na tarde de segunda-feira, 31. A água e energia elétrica do prédio foi cortada e homens da polícia militar estão na entrada do prédio, impedindo a entrada de alimentos. Dessa forma, os alunos e militantes que estão usando a unidade para protestar, terão de se retirar, pois não terão como se manter lá dentro.

Publicidade
Publicidade

Ainda não há um mandado judicial para que ocorra a reintegração de posse, mas várias escolas de Curitiba já obtiveram a autorização judicial para retirar os manifestantes de dentro das escolas. Por conta das ocupações que ocorrem em vários estados brasileiros, cerca de 161 mil estudantes não poderão fazer o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio), que acontece no próximo fim de semana. O MEC anunciou que fará um segundo exame para os afetados pelas ocupações, no mês de dezembro, entretanto, um procurador do Ceará pediu o cancelamento do exame para que todos possam fazê-lo no mesmo dia. O MEC recorreu a PGU e aguarda resposta.

Representantes da comissão dos direitos humanos da ordem dos advogados do Brasil e o Conselho Tutelar, foram até o prédio do NRE e os alunos aproveitaram para reclamar que acham um absurdo a ação policial.

Publicidade

Policiais, funcionários e aposentados, que frequentam o local por conta do atendimento do Paraná Previdência, se recusam em conversar com os estudantes mascarados. Deixaram claro que só conversarão com quem se identificar, não só mostrando o rosto, como um documento de identificação, para poderem saber se estão lidando com estudantes ou ‘vândalos’. Muitos alunos não querem se identificar e reclamam que a polícia não permite que eles demonstrem ‘democracia’. O único tumulto que teve até o momento foi de estudantes que não estavam no prédio e tentaram entrar escondido, sendo impedidos pela PM.

Ainda não há informações se os jovens foram vencidos pelo cansaço e deixaram o prédio. Quem está dentro do prédio, sai quando desejar, mas não é permitido que outros estudantes ou militantes adentrem o local.

O prédio do Colégio Estadual Santa Felicidade, foi desocupado antes da ordem judicial, após uma aluna ser assassinada por um colega, por conta de um desentendimento. Estudantes que não concordam com a ocupação, têm informado aos meios de comunicação que o movimento Ocupa Paraná é liderado por membros partidários do antigo governo. Para conquistar alunos para a causa, os líderes dos movimentos vão nas escolas e comunicam que o atual governo quer acabar com disciplinas importantes do currículo escolar, demitir professores e transformar as escolas em uma forma de ditadura. #Manifestação #Protestos no Brasil