A cada dia que passa mais e mais escutamos que os novos líderes são diferentes. Os líderes do passado não têm mais vez. Os novos líderes precisam acima de tudo saber gerir pessoas. Encantar os seus liderados. Trabalhar em equipe e produzir novos líderes. Concordo com tudo isto. Como consultor acredito piamente nisto e replico sempre que posso em minhas palestras e treinamentos estes ensinamentos. A intenção é formar uma nova geração que pense de forma diferente e encontre um caminho mais saudável para as pessoas e empresas.

Acontece que não é o que vemos nas empresas. O discurso está muito distante da realidade. Vender um projeto ou uma condição de #Trabalho é uma coisa. Agir da mesma forma é outra completamente diferente. Escuto todos os dias que as empresas precisam se preocupar com o ambiente, com a sustentabilidade, com a qualidade de vida dos seus colaboradores. Sim, colaboradores. É mais humano chamar funcionários de colaboradores.

Tudo muito bonito. Correto aliás. Deveria ser sempre assim. Só tem um problema. Esqueceram de avisar os acionistas. Acionistas querem resultados. Custe o que custar e de preferência num curtíssimo prazo e se para isto for preciso cortar "na carne" como gostam de dizer, lá se vão os benefícios concedidos. Questão de ajuste, é o que dizem. Pronto. Lá se foi embora todo o discurso e o que conta mesmo é o dinheiro no bolso dos acionistas.

O Brasil vai passar por um momento muito difícil e vários ajustes serão necessários. Vai cair na conta de quem? Dos colaboradores, que terão que entender a dificuldade do momento atual. E a tal qualidade de vida, sustentabilidade, e outros temas correlatos. Esqueçam. Hora de apertar os cintos. Treinamentos não são tão importantes. O cafezinho pode ser de qualidade inferior. A ginástica laboral fica pra outra hora.

Conhece alguma história semelhante? Eu conheço várias.

De quem é a culpa? Não sei mas com certeza um vai jogar a culpa para o outro e quem vai sofrer é você. Quanto aos novos líderes? Bem eles também não tinham muito o que fazer, ou aceitavam esta imposição ou seriam trocados, e assim seguimos até a outra onda de mercado. #Negócios #Opinião