No último dia 12 de novembro, foi realizado o segundo seminário sobre Comércio Internacional entre a Confederação Nacional da Indústria (CNI) em conjunto com o Instituto Brasileiro de Concorrência e Comércio Internacional (IBRAC), com o intuito de discutir a posição do Brasil em relação à agenda do comércio internacional. Foram discutidos temas como a Política Comercial no novo #Governo, Brasil e os Contenciosos Comerciais e Futuro da Defesa Comercial. Algumas propostas foram discutidas para aumentar a competitividade do Brasil no cenário internacional, como programar medidas de desburocratização e ações de facilitação de comércio a fim de reduzir custos e o tempo nas transações comerciais.

Publicidade
Publicidade

Também praticar políticas que fomentem investimentos das empresas brasileiras no exterior e a adequação da política comercial brasileira.

Alguns aspectos foram destacados no seminário, que explicam, ou tentam explicar, a queda nos resultados da balança comercial brasileira. Aspectos internos, como complexidade tributária, problemas de infraestrutura, câmbio e crise na energia, e externos como problemas econômicos nos destinos das exportações brasileiras, dificuldade de obtenção de novos acordos e prática de dumping no comércio internacional comprometeram a balança comercial nos últimos tempos.

A prática comercial de alocar os excedentes (dumping) prejudica a indústria nacional, eliminando os fabricantes de produtos similares concorrentes, na tentativa de ganhar mercados e, quando feito, impõem preços altos.

Publicidade

O antidumping são medidas que dificultam essa prática aplicando alíquotas específicas que igualam os preços e os deixam em valor competitivo dentro de uma disputa de mercados, protegendo assim a indústria local.

Com a "invasão" dos produtos chineses no Brasil e a valorização do real frente à moeda chinesa fez muitas indústrias fecharem e postos de trabalho serem extintos. Numa medida protecionista, o aumento, em meados de setembro, do IPI de carros importados foi uma saída do Governo brasileiro para gerar certo equilíbrio. #Negócios