Este artigo sumariza informações relativas à comercialização de cafés especiais em Minas Gerais. Os dados aqui apresentados e discutidos originaram-se de um levantamento de dados secundários a partir das séries de preços diários compreendendo o período de janeiro de 2008 a abril de 2011 totalizando 817 observações culminando assim com um melhor acompanhamento deste mercado no período de crise internacional e pós-crise. Usando o modelo de Barros (2007), analisou se o índice de concentração do atacado influência a formação dos preços aos demais setores, tendo como base para análise o café arábica tipo Bebida Duro por ser o tipo de café de qualidade como maior incidência de produção no estado

A motivação para realização deste estudo teve suas raízes na percepção dos autores acerca de que grande parte dos estudos realizados acerca dos sistemas agroindustriais visa explorar os temas voltados à competitividade relegando a segundo plano as relações comerciais em varias cadeias especialmente ao que diz respeito ao café, pois os tomadores de decisão se cercarão em ênfase aos projetos de expansão do produto agrícola e industrial e relegaram a segundo plano o desenvolvimento comercial, vista a importância desta cadeia não somente para o estado em si, mas pela geração de divisa para o país.

Publicidade
Publicidade

Dentre as principais commodities agrícolas brasileiras, o café é que tem maior relação histórica, difundida por varias regiões e por muito tempo foi à base da economia. Por ter a produção oscilante, o preço do café dependente da oferta. Assim, a escassez desta, gera picos de preços influenciando a formação de preço nas regiões produtoras, atacado e varejo. O atacado detém liderança de preços, devido à concentração do número de agentes, enquanto os setores em maior número e dispersos, comercializando menor volume são tomadores de preços, perdendo poder de barganha.

Concluiu-se que mesmo tendo capacidade de influenciar o mercado, o atacado contabilizou perdas. Sendo o produto responsável pela oferta, este obteve vantagens com a crise, pois obteve melhores preços ao produto, e o varejista alcançou maior renda ter maior parcela na formação dos preços no mercado.

Publicidade

#Curiosidades