Grande parte dos estudos realizados acerca dos sistemas agroindustriais visa explorar os temas voltados à competitividade relegando a segundo plano as relações comerciais em varias cadeias, especialmente do café. Os tomadores de decisão se cercarão em ênfase aos projetos de expansão do produto agrícola e industrial e relegaram a segundo plano o desenvolvimento comercial, vista a importância desta cadeia não somente para o estado em si, mas pela geração de divisa para o país, e sua extrema relação histórica, e dinamismo nos contextos sociais.

Com a abertura comercial e consequentemente a desregulamentação, vivenciada pela cadeia no final dos anos 80 e início da década de 90, a estrutura de poder que antes era negociada tendo um maior controle da oferta e divisão de renda de forma estruturada por acordos entre os países produtores e compradores.

Publicidade
Publicidade

Com a desregulamentação acordada de modo a manter uma renda sustentável no elo mais fraca da cadeia se desfez. Assim o poder da cadeia se deslocou para os grandes compradores levando grandes perdas aos produtores.

No mercado nacional o Instituto Brasileiro do Café durante muito tempo manteve o monopólio do fornecimento do café ás torrefadoras com sua extinção observou que em 2002 as 100 maiores empresas do setor detinham 60% do mercado, através de fusões, aquisições entre as maiores em 2011 as dez maiores passaram a responder por 75% do total do mercado, excluindo os menores do mercado por falta de competitividade. No entanto, esta concentração de mercado esta sujeito a grandes intempéries da oferta para que acaba por influenciar as margens de comercialização dos elos.

Mesmo com esta grande capacidade de influenciar os preços, o atacado sofreu pressão dos produtores que tiveram dificuldade para ofertar o grão por problemas climáticos no período de 2008 a 2010.

Publicidade

Assim, o produtor influência a formação do preço via quantidade ofertada. Assim, a ineficiência da oferta tem grande relevância na composição dos preços ao consumidor, atribuindo uma maior concentração de risco no atacado mesmo com elevados índices de concentração. #Agricultura