Dívidas do cartão de crédito trazem a maior incidência de juros no Brasil. O quadro piora quando o banco pertence à lista de instituições estrangeiras que cobram em dólar. Para evitar que acumulem e que cresçam assustadoramente, confira aqui algumas #Dicas para evitar o mal das dívidas no cartão de crédito.

Contas no papel: A primeira medida que devedores de faturas do cartão de crédito precisam fazer é em contabilizar e organizar os valores do déficit. A priori, tal atividade demora certo tempo, porém, sem fazer a atividade, não existe chance de saber o que quitar. Apenas após o processo se sabe quais os valores dos juros e se as parcelas cabem no orçamento do mês.

Publicidade
Publicidade

Ligar ao banco: Na sequência, após saber quais os valores a quitar, consumidores precisam telefonar à instituição bancária para negociar a dívida. Ao saber de forma prévia quais quantias pagar, existe a vantagem de aumentar a segurança durante as negociações. Na grande parte das vezes não há o dever de explicar a causa do revés financeiro ao banco, visto que o interesse em pagar, conta a favor.

Custo Efetivo Total (CET): Quando ligar ao banco não se esqueça de perguntar qual o valor geral a pagar. A sigla CET traz aos consumidores quantias que podem ou não ter acréscimos com taxas de juros e impostos. Bancos não devem deixar de fornecer o conteúdo informativo.

Negociar a dívida: Depois de ligar e coletar informações sobre o CET, os consumidores podem começar a negociar as dívidas com prestações cobradas ao mês.

Publicidade

Em termos gerais, especialistas indicam ser melhor optar por parcelas que não crescem conforme o tempo. Outro ponto: jamais opte por continuar a pagar o mínimo da fatura, visto que com o procedimento, na prática, somente os juros são quitados em detrimento do débito que não diminui o valor.

Lutar na Negociação: Estar com dívida não implica aceitar os primeiros valores de oferta por parte do banco. Caso não esteja satisfeito recuse a proposta bancária e espere receber novos números que se adaptem melhor ao orçamento. De fato, na arte de negociar, existem vantagens a se considerar de forma positiva, como a poder encontrar melhor solução às duas partes, por exemplo.

Não faz sentido aceitar plano de pagamento quando há dúvidas em conseguir sanar a dívida, visto que qualquer empecilho pode representar calamidade no plano orçamentário para ficar com as contas em dia. #Finança