Divulgada nesta quinta-feira mais uma prévia da inflação mensal, que foi de 0,89%. Segundo pesquisas, a inflação subiu cerca de 0,10% a mais. Isso é um dado preocupante, pois de acordo com Ministro da Fazenda, esse foi o primeiro estouro da meta da inflação em 2015.

Dados como esse mostram que o Brasil está, como preconizado pelo ministro da fazenda anteriormente, beirando uma recessão técnica. Assim podemos esperar um 2015 bastante amargo para a economia brasileira e já começamos a amargar grandes problemas.

Recentemente foram anunciadas uma série de medidas desagradáveis ao bolso da grande maioria do consumidor brasileiro, como por exemplo, o aumento do IOF,o que vai tornar mais difícil que se faça operações de financiamento da casa própria.

Publicidade
Publicidade

Recentemente o Copom anunciou pela terceira vez consecutiva o aumento da taxa básica de juros, trazendo assim sérios e significativos prejuízos. Além disso, com o aumento da taxa básica de juros e do IOF irão restringir e diminuir a oferta de crédito no país. Os juros também fazem com que haja aumento do custo de mercadorias, o que acaba se refletindo em nossos bolsos.

Haverá também uma série de aumentos de impostos e corte de gastos na grande maioria dos estados brasileiros que são governados pelo PT.

Segundo a afirmação do ministro e dos governadores recém empossados, a hora agora é de apertar os cintos. Portanto, teremos que aprender daqui por diante a conviver com um cenário de aumento de preços e de impostos que, pelo menos provisoriamente, mostra ser o cenário econômico para 2015.

Publicidade

Além disso, a #Crise hídrica que a região sudeste está vivendo também se mostra como um dos fatores principais que podem, pelo menos a médio e curto prazo, contribuir para a piora da economia brasileira, que já não vinha bem há anos, diga-se de passagem.

Assim também podemos concluir dizendo que esses cortes e aumentos da taxa básica de juros, associados a um cenário de inflação alta, repercutem em tempos de extrema dificuldade financeira para todos nós brasileiros, independentemente da classe social. #Governo