Banco do Brasil (BB) aponta que no ano de 2014 foi registrado menos abertura de empréstimo para o capital de giro ao comparar com os valores emprestados para investimentos, afirma o superintendente Sérgio Luiz Cordeiro, em entrevista ao site “Tribuna do Norte”.

De forma prática, essa tendência demonstra mudança do comportamento na área de consumo das pessoas jurídicas. Não se pode ignorar o fato de que também consiste em tendência na qual os pequenos empresários aumentam a confiança no que tange ao próprio negócio.

Maior estabilidade na economia

Sérgio Luiz Cordeiro indica que o aumento da estabilidade na economia do Brasil também se relaciona de forma direta ao fenômeno, visto que cresce o valor da educação financeira dos pequenos empresários brasileiros.

O especialista também diz que esse cenário atual não seria possível se não fosse a evolução na educação financeira do pequeno empresariado, que contribui de modo direto com o aumento da saúde dos bancos ao solicitar empréstimos e quitar valores em dia.

Papel da TI no Aumento de Crédito

Conforme acredita o representante do banco federal, as mudanças e o aumento de crédito para as pessoas não aconteceu apenas por conta do trabalho da instituição financeira.

A tecnologia da informação também faz parte importante do processo. Por exemplo, nos dias de hoje, sem sair de casa, empreendedores sabem quanto devem pagar por conta do empréstimo e aumentam as chances de programar melhor o fluxo de caixa, graças aos simuladores online.

Processo positivo ao Brasil

Há aspectos vantajosos para as partes que se relacionam ao processo. Quando empreendedores pagam dívidas de forma pontual, também aumentam as chances de conquistar maior confiança e menores taxas de juros nos próximos empréstimos.

A relação entre a clientela e o banco melhora e correntistas desenvolvem a prática de administrar os ganhos e pagar os déficits em dia. Cordeiro indica que os resultados positivos também colaboram diretamente com a expansão do comércio nacional em termos gerais. #Finança