O governo federal realizará estudo de avaliação sobre clima e hidrologia para calcular a possibilidade de estender por mais um mês o horário de verão no país. Esta prorrogação traria muitos benefícios, principalmente em termos de economia de energia.

A estiagem, que em São Paulo é a mais terrível em 80 anos, estende-se por grande parte das regiões Sudeste e Centro-Oeste. Até mesmo na região Sul, em alguns pontos dos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, começam a  ser registradas acentuadas quedas nos níveis de seus mananciais hídricos. O governo busca de todas as formas estancar este problema. O horário de verão em vigor por mais um mês certamente não resolverá a situação, mas poderá trazer vários benefícios.

Publicidade
Publicidade

O término do atual horário está fixado inicialmente para o dia 22 de fevereiro, de acordo com a oficialização feita em 19 de outubro do ano passado. Mas com a escassez de energia elétrica que está ocorrendo no país, a prorrogação seria uma alternativa viável por mais 30 dias.

Continuação da estiagem poderá acarretar em aumento

Com a continuação da estiagem, é praticamente certo que ocorrerá reajuste nas bandeiras tarifárias. Esta medida ainda será estudada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O aumento deve ficar em quase R$ 9 nas contas média dos lares brasileiros a partir do mês de março.

Sobre a bandeira vermelha, em vigor desde o início do ano, fontes ligadas a esta área informam que já foram realizados cálculos de reajuste. Assim, uma fatura média de R$ 65,20 sofreria aumento para R$ 74,15.

Publicidade

A Aneel deverá propor ainda que a bandeira vermelha suba dos atuais R$ 3,00 para R$ 5,50. Isso a cada 100 quilowatt/hora (kWh) que sejam gastos no mês. Isto significará um reajuste de mais de 83%. Para a bandeira amarela, está prevista que a cobrança adicional deverá passar dos atuais R$ 1,50 para R$ 2,50 por 100 kWh.

Com tais readequações, uma conta de consumo no valor de R$ 65,20, que hoje sobre para R$ 70,09, na bandeira vermelha após a nova alteração atingirá R$ 74,15. Na amarela, a conta de R$ 65,20 custaria R$ 67,65 considerando o preço vigente hoje, mas com esta alteração, ficará em R$ 69,27.