Greve na refinaria! O movimento grevista que ocorre nos EUA traz na lista de unidades paradas a maior do país. Motiva Enterprises ficou sabendo que seus funcionários entraram em greve na refinaria, no dia 21 de fevereiro. A empresa tem capacidade de refinar mais do que 600 mil barris por dia e se faz presente no Texas.

Trabalhadores que fazem greve na refinaria mais poderosa dos EUA se uniram ao movimento que começou por causa das queixas quanto às questões de segurança no trabalho.

Greve na refinaria e reuniões obscuras

Os movimentos no dia 20 de fevereiro relacionados com a reunião entre trabalhadores e grandes representantes da indústria petrolífera estavam repletos de rumores e mistérios.

Publicidade
Publicidade

Ninguém sabia ao certo qual seria a decisão que tem impacto direto na macroeconomia dos EUA, a maior potência econômica do mundo.

Porém, durante a noite, logo após as reuniões, representantes dos trabalhadores disseram à imprensa que não existiu acordo com os industriais, o que fatalmente resultou na greve com início em 21 de fevereiro.

Greve na refinaria - explosões de movimentos grevistas

Logo após impactar o mundo ao decretar a greve na refinaria mais poderosa dos EUA, os representantes dos trabalhadores disseram que outras duas grandes refinarias da Motiva (marca que une Saudi Aramco e Royal Dutch Shell) também devem iniciar movimentos grevistas ao considerar um futuro desacordo entre funcionários e donos dos meios de produções.

Greve na refinaria - Alerta de 1980

A greve na refinaria norte-americana fez ascender o sinal de alerta dos governantes, que não querem repetir o ano de 1980, momento no qual ocorreu uma grande paralisação no setor.

Publicidade

Conforme Leo Gerard, presidente da USW International, caso a indústria se recuse a investir na segurança dos trabalhadores, via negociação justa, o movimento de paralisação vai ser maior.

Se os empresários não chegarem em nenhum acordo com trabalhadores, pode haver quase 6.700 funcionários paralisados, em 12 refinarias norte-americanas, o que se equivale em 19% da produção total de petróleo nos EUA.

De fato, enquanto Barack Obama luta no congresso para conquistar mais verbas para lutar contra o EI (Estado Islâmico), o Texas está prestes a entrar em uma greve histórica.