A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) pretende abrir duas audiências públicas em fevereiro. Dessas audiências, sairão os aumentos da luz para o mês de março, que chegará diretamente ao consumidor.

Os aumentos de luz serão de 3,89% para as regiões do Norte e Nordeste e 19,97% para o Sudeste e demais regiões. Nesse ano, haverá um total de R$ 23,21 bilhões de gastos extras que o consumidor terá que pagar.

As duas audiências públicas servirão para avaliar a porcentagem que cada empresa de distribuição de energia irá receber dos valores totais arrecadados com esses aumentos.

Culpados pelo aumentos na energia 

Essa diferença do aumento da luz entre as regiões tem como culpado a tarifa de Itaipu, que teve um aumento de 46% no começo desse ano.

Publicidade
Publicidade

As regiões que são atendidas por Itapu são Sudeste, Sul e Centro-Oeste, excluindo somente o Norte e Nordeste do país.

Outro culpado é o Tesouro Nacional, que anunciou que não irá cobrir as despesas elétricas desse ano com os esperados 9 bilhões, como ocorreu em 2014. No total, os programas do setor elétrico precisam de R$ 25,961 bilhões, sendo que a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) irá incentivar com R$ 2,75 bilhões, assim sobrando o total de R$ 23,21 bilhões que os consumidores terão que arcar.

A Conta de Desenvolvimento tem sua receita gerada de cobranças sobre Uso de Bem Público (UBP), multas, pagamento de dívidas parceladas e financiamento por empresas.

Com as distribuidoras de energia com dificuldades em caixa desde o ano passado, a Aneel já aprovou um reajuste imediato com valores médios de até 45,7% para os consumidores de comércio, industrias e residências.

Publicidade

O aumento começa a valer quando for publicado no Diário Oficial da União; em alguns casos já estão valendo desde ontem (03).

Esse aumento imediato é para compensar os empréstimos feitos pelas distribuidoras do setor energético em 2014. Os empréstimos têm o valor total de R$ 17,8 bilhões e podem ser pagos em dois anos, mas a Aneel e #Governo podem ampliar esse prazo para ajudar o setor a equilibrar suas contas.

Por último, ainda teremos o aumento nas bandeiras tarifárias, que atualmente tem valores de R$1,50 quando está amarela e R$3,00 reais quando vermelha. Mas o aumento das bandeiras até o momento ainda não foi decidido.

Com esses aumentos confirmados, o que resta ao consumidor é economizar ao máximo para não ter uma surpresa com as contas de luz.