Segundo divulgado pela Secretaria da Receita Federal, até às 17 h desta segunda-feira (30) já foram recebidas 6.152.563 declarações de contribuintes do Imposto de Renda.

São esperadas 27, 5 milhões de declarações até 30 de abril, prazo de encerramento de envio à Receita Federal. Quanto mais cedo os contribuintes encaminharem a declaração, sem omissões, erros ou inconsistências, mais cedo à restituição será liberada. A primeira quota de restituição começa a ser paga em junho pelo #Governo, sendo o último lote em dezembro.

Contudo, alguns contribuintes têm prioridade na restituição, como é o caso de pessoas com doenças graves, contribuintes com mais de 60 anos e aqueles portadores de deficiência física ou mental.

Publicidade
Publicidade

A Receita Federal recomenda que a declaração do Imposto de Renda seja realizada no prazo final estabelecido, caso seja entregue após o prazo, uma multa de 1% ao mês-calendário até 20% é estipulada, sendo calculada sobre o total do imposto devido. O valor mínimo da multa é de R$ 165,74.

Para os contribuintes que ainda possuem dúvidas quanto o preenchimento e a entrega da declaração do Imposto de Renda, há duas semanas a Receita Federal disponibilizou uma série no Youtube intitulada 'TV Receita Responde'. A série esclarece em 11 vídeos as principais dúvidas dos contribuintes relacionadas à declaração do Imposto de Renda.

Quem precisa declarar

Nem todas as pessoas precisam declarar seus rendimentos a Receita Federal, apenas as pessoas físicas que em 2014 (utilizado como ano-base para 2015) receberão rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55.

Também são obrigados a declarar para a Receita Federal contribuintes que receberam rendimentos enquadrados em não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte e isentos, e que foram em 2014 superiores a R$ 40 mil.

Publicidade

Pessoas que receberam rendimentos provenientes de ganho de capital de direitos ou bens, em qualquer mês do ano passado, sujeito à incidência de imposto, também são obrigadas a declarar a Receita Federal. Além destas, a apresentação do IR também se torna obrigatória para contribuintes que realizaram operações em bolsas de valores, de futuros, de mercadorias e assemelhadas.