O FIES - Fundo de Financiamento Estudantil, é um programa de financiamento do MEC (Ministério da #Educação) que destina parte da renda orçamentária federal para o pagamento de mensalidades de cursos superiores às instituições privadas do país.

Devido ao financiamento, os alunos que conseguem a concessão do FIES podem estudar e se formar em institutos educacionais, centros universitários e faculdades privadas até completar sua formação superior, retornando o pagamento com aplicação de taxas após sua formação.

Alunos de ensino superior que tentaram se cadastrar para o programa para pleitear uma bolsa para o ano de 2015 enfrentaram dificuldades. Até então, o cadastro era feito diretamente através de intermediação da própria instituição de ensino.

Mudanças no FIES para 2015

Em meio à crise econômica atual, o MEC anunciou através de seu secretário-executivo, Luiz Carlos Costa, que mudanças estão em andamento. Segundo Costa, o atual período é considerado transitório e a partir do segundo semestre é muito provável que entre em ação alterações efetivas para a concessão dessas bolsas de estudo.

Será levado em consideração, por exemplo, o valor disponível no Orçamento a ser destinado ao programa, delimitando-se assim a quantidade de bolsas por curso e instituição.

Em segundo plano, será analisado a qualidade dos cursos oferecidos e considerados os níveis de nota, sendo que quanto maior o destaque nesses critérios, maior a quantidade de concessões.

Por fim, avaliarão a proporcionalidade histórica de interesse no curso.

Vale ressaltar que até o presente ano, cursos com notas inferior a 3 não eram financiados pelo governo.

Situação atual

Parte dessas medidas já está em andamento, mesmo sem pronunciamento oficial por parte do governo e seus representantes.

Tais atitudes são decorrentes também do alto número de concessões oferecidas no decorrer de 2014, onde houve um aumento significativo. Em 2010, o gasto federal foi de R$ 1 bi e em 2014 esse valor subiu para R$ 14 bi, uma vez que no primeiro ano foram completadas 76 mil vagas e no ano passado 1,9 milhão.

A longo prazo espera-se a limitação de vagas e, consequentemente, maior necessidade de empenho por parte do aluno. Parte do processo seletivo pode ser associado ao ENEM, exigindo-se obtenção de nota mínima para ingresso na concorrência do benefício. #universidade