Na próxima semana, dia 10 de março, o primeiro navio vai atracar no novo terminal de grãos Tegram, que fica localizado em São Luís, no Maranhão. O navio irá carregar 66 mil toneladas de soja e o destino do carregamento é a China. O navio é o marco das operações de escoamento da safra brasileira, marcando o início de importantes transações para a economia nacional.

Segundo informações de rastreamento marítimo da Thomson Reuters, desde o final de fevereiro que o navio está fundeado nas proximidades do porto. O navio é contratado pela empresa norte-americana CHS e leva o nome de 'Scythia Graeca'.

Segundo informações das agências marítimas Williams e Cargonave divulgadas nesta terça-feira (3), o navio apresenta uma programação quanto a previsão de atracação, destino e o volume de soja.

Publicidade
Publicidade

Contudo, pelo fato do terminal ainda estar em fase de teste, o carregamento pode demorar além do previsto, o que em situações normais demoraria, no máximo, três dias. A saída do navio está prevista para o dia 13 de março, segundo informações divulgadas pela Williams.

A contratante CHS detém 25% na participação em um dos quatro armazéns que compõe o novo terminal, sendo que um armazém é da Glencore e os outros dois pertencem à CGGTrading e ao Consórcio Crescimento, que formam uma joint venture entre Louis Dreyfus e Amaggi. Os outros 75% pertencem à NovaAgri.

A estimativa de produção do consórcio que administra o Tegram é que cerca de 2 milhões de toneladas de milho e soja sejam exportadas este ano pelo terminal.

O terminal é uma importante projeção para o agronegócio brasileiro, uma vez que apostas estão sendo feitas no Tegram como uma forma de desafogar o sistema logístico do país, que ainda concentra o transporte de grãos em caminhões, principalmente, até os portos de Rio Grande (RS), Paranaguá (PR) e Santos (SP).

Publicidade

A estimativa da safra de soja brasileira para 2014/2015 é que atinja quantidades superiores a 90 milhões de toneladas. Aos poucos, ela vai sendo colhida e levada aos portos brasileiros, apesar dos acontecimentos com a greve dos caminhoneiros em diversas estradas brasileiras, os carregamentos vão sendo distribuídos aos poucos. #Trabalho #Agricultura