Em frente ao recente grande aumento do dólar, o diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o hemisfério ocidental - Alejandro Werner - afirmou em encontro realizado no México que esse processo será benéfico ao Brasil, já que o país tem a necessidade de reativar suas exportações e o setor industrial, afim de reequilibrar a economia.

O dólar que já chegou a ser cotado em R$ 3,30, recentemente, pela primeira vez em quase doze anos, obteve esse valor elevado por causa da decorrente recuperação da economia norte-americana. Segundo Werner, "a economia brasileira vive um período de ajuste muito complexo, o que está acontecendo é um fenômeno difícil que está se materializando nos mercados financeiros de maneira importante." Por conta dos investimentos no Brasil, que têm sido muito baixo, esse movimento cambial será positivo para a economia interna do país.

Publicidade
Publicidade

Contudo, o próprio Werner reconheceu que, por outro lado, a elevação cambial nesse momento aumenta as incertezas. A declaração foi firmada na convenção anual de banqueiros mexicanos. Enquanto o dólar sobe no mundo, a moeda europeia (euro) atinge valores mais baixos. As especulações a respeito do posicionamento do Banco Central Norte-americano (Federal Reserve) dizem que as políticas internas dos países europeus também influenciam na alta do dólar.

Alejandro Werner assumiu o cargo de Diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI) em janeiro de 2013. Na carreira financeira, já foi subsecretário da Fazenda e Crédito Público do México, no período de dezembro de 2006 a agosto de 2010. Foi também professor de economia no Instituto da Empresa de Madri, na Espanha, no período de agosto de 2010 a julho de 2011, além disso, foi titular da banca corporativo e investimento BBVA-Banconmer, no período de agosto de 2011 até o final de 2012.

Publicidade

Em atividades acadêmicas, lançou vários livros e concluiu o PHD em 1994 no Instituto Tecnológico de Massachussets. Em 2007, Werner foi designado como Jovem Líder Mundial pelo Foro Econômico Mundial.