Na noite desta sexta-feira, dia 27 de fevereiro, o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso determinou que a Polícia Federal deverá investigar as denúncias de evasão fiscal e sonegação de impostos no HSBC de Genebra, na Suíça.

Uma série de reportagens além de uma apuração jornalística internacional, feitas através de informações obtidas de um ex-funcionário do HSBC foram entregadas as autoridades francesas na época, e mais tarde compartilhadas com outros países. 

O caso brasileiro tem maior relação com a sonegação de impostos. Por meio de pesquisas e investigações descobriu-se que os brasileiros utilizavam uma agência privada em Genebra para suas contas.

Publicidade
Publicidade

Apura-se que os brasileiros tinham mais de 6 bilhões de dólares, divididos em mais de cinco mil contas.

O ministro apurou e analisou a situação juntamente com a Polícia Federal, o Ministério da Justiça e o DRCI ( Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação jurídica), concluindo assim que os delitos cometidos são graves e a investigação totalmente justa.

Duração da investigação

Segundo o Ministro da Justiça, e principal acusador do caso, no momento não é possível fazer uma análise além dos dados já obtidos e vazados, mas que o Estado brasileiro irá pedir formalmente que o governo da Suíça ajude com o caso, fornecendo documentos.

Vários empresários de diversos mercados brasileiros estão entre os correntistas envolvidos com as contas no HSBC suíço. Setores como plástico, têxtil e alimentício são os mais numerosos.

Publicidade

Segundo dados são mais de 300 empresários das áreas citadas.

O Senado Federal brasileiro criou uma CPI,  para investigar as denúncias dos crimes. O pedido de criação da CPI é do senador do partido PSol, Randolfe Rodrigues. Estima-se que na semana que vem a CPI já esteja funcionando

 O HSBC é suspeito de fazer vista grossa aos impostos vazados e também é acusado de ter ajudado seus clientes a violarem as leis. O HSBC nega todas as acusações, e afirmas-as como absurdas. Porém em 2013, autoridades do mundo todo, inclusive francesas afirmaram os crimes, e os impostos vazados.