O Procon do Distrito Federal divulgou o ranking das empresas que receberam mais reclamações de consumidores em 2014. Os dados são relativos às queixas encaminhadas ao Procon localizado em Brasília. O relatório leva em conta somente as reclamações consideradas fundamentadas, ou seja, aquelas que, após passarem por uma análise jurídica, são classificadas como procedentes e seguem para os trâmites da lei. Apesar dessa análise técnica, só 42% das reivindicações foram atendidas pelas empresas. O destaque negativo vai para bancos e empresa de telefonia.

O Banco do Brasil lidera o ranking de reclamações com 158. Deste número, 41 foram atendidas, conferindo ao banco um índice de resolutividade de 26%.

Publicidade
Publicidade

A telefonia OI aparece subdivida em duas empresas que estão entre as 10 com mais queixas, OI Móvel S/A e OI S.A. Somadas elas alcançam 219 reclamações, 61 a mais que o Banco do Brasil. Segue abaixo o ranking e o número de reclamações feitas ao Procon-DF:

1° Banco do Brasil - 158

2° Ricardo Eletro - 153

3° Qualicorp - 144

4° OI Móvel S/A - 120

5° GVT - 114

6° OI S.A - 99

7° VIA VAREJO S/A - 88

8° Claro (Americel S/A) - 86

9° TIM CELULAR S/A - 86

10° Banco BMG - 73

Empresas que menos atenderam 

A lista das empresas que menos resolveram os problemas denunciados pelos consumidores tem em primeiro lugar a Incorporação Borges Landeiro Garden LTDA, com 42 reclamações e nenhuma resolução, seguida pela NEON distribuidora com 27 reclamações e índice de 7% de resolutividade.

Publicidade

Dentre as 10 que lideram o ranking de reclamações, a OI Móvel S/A atingiu o melhor índice de resolutividade, 66%, com 79 reclamações atendidas. O pior indicador foi da empresa Qualicorp, 19% de casos resolvidos.

Empresas que mais atenderam

A Groupon Serviços Digitais LTDA foi a empresa com o maior índice de resolutividade: 92% das 24 reclamações foram solucionadas. A Virgínia Surety Companhia de Seguros atingiu o mesmo indicador, porém teve o número de reclamações inferior, 12 ao total.

Divulgado na terça-feira, 17 de março de 2015, o relatório completo pode ser conferido no site do Procon-DF.

#Justiça