Os brasileiros já estão acostumados a pagar impostos altíssimos no país. Porém, 2015 apenas iniciou e o valor já atingiu R$ 500 bilhões no início do mês de abril. No ano passado, essa marca foi atingida no dia 15 de abril. Apesar do baixo nível das atividades econômicas no país devido a inflação, o aumento da arrecadação deve continuar subindo. Para o Presidente da ACSP e também da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo), Alencar Bruti, esse aumento "decorre dos efeitos da inflação e da revisão das desonerações (isenções e cortes de impostos)".

De acordo com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), este valor é equivalente a contribuições no país de taxas e impostos desde o primeiro dia do ano 2015.

Publicidade
Publicidade

Este montante é destinado aos municípios, estados e à União. A ferramenta chamada de Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo, calcula, eletronicamente, a arrecadação e, pode ser visto na sede da instituição, localizada na Rua Boa Vista, no centro da capital. Tudo é feito em tempo real.

A associação conta com um portal para que o internauta possa descobrir tudo o que o governo pode fazer com as quantias arrecadadas ao longo do ano. Isto significa que, é possível saber quantas escolas podem ser construídas, quantas cestas básicas podem ser fornecidas e quantas melhorias em rodovias podem ser feitas. Ou seja, é possível simular inúmeras ações que podem ser feitas com a arrecadação em impostos. Além disso, os cidadãos podem visualizar quais valores exatos cada estado e município contribuíram.

Publicidade

Com esse aumento, o Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está adotando uma série de medidas que possam recompor essa arrecadação, como, por exemplo, aumento de alíquotas e reversão de benefícios tributários.

Impostômetro

O Impostômetro está instalado na Associação Comercial de São Paulo desde 2005. O sistema serve para informar o total de impostos pagos pelos brasileiros desde janeiro de 2000. Ainda, é possível realizar estimativas de quanto será pago em taxas até o mês de dezembro de 2015.