A Toyota deve colocar em prática um "plano B" para aumentar sua participação no mercado brasileiro. É que, mesmo sendo reconhecidos como bons automóveis, Etios e Etios Sedan não decolaram e ambos fecharam 2014 com menos de 6% de participação em suas categorias, respectivamente. Somados, o hatchback e o três volumes fecharam o ano passado com quase 67 mil unidades vendidas.

O foco da Toyota, agora, é a prateleira de cima. A marca prepara, para breve, o lançamento de um novo sedã no país, o Vios. Trata-se de um modelo compacto para competir na mesmíssima faixa de mercado do City. Com 4,41 metros de comprimento, ele é 4 cm menor que o Honda, apresentando a mesma largura do concorrente - 1,69 m.

Publicidade
Publicidade

Sua distância entre-eixos, de 2,51 m, também é 9 cm inferior à do City, mas 5 cm superior à do Etios Sedan.

O grande mote do Vios não está, exatamente, nas suas dimensões, mas no fato dele ser mais qualificado. O sonho de um Toyota popular parece ter esbarrado na modéstia da linha Etios e, em um mercado voltado para a imagem, como o brasileiro, ter um produto mais atraente significa maiores volumes comerciais e margens de lucro para o fabricante.

Para além disso, é preciso preencher o hiato que existe entre os menos de R$ 50 mil, que é o valor do Etios Sedan completo, e os R$ 67 mil que são preços da versão de entrada do Corolla. Encaixar o Vios neste buraco não será tão difícil e posicioná-lo bem diante do City, que parte de R$ 54 mil no seu catálogo mais acessível, também não. Melhor - para a Toyota - é que essa manobra permite, em médio prazo, inflacionar ainda mais o Corolla - não se pode esquecer que o objetivo final de tudo isso é aumentar os lucros.

Publicidade

Em 2013, ano do lançamento da geração atual, o Vios vendeu nada menos que 109 mil unidades só na Tailândia, que é um de seus principais mercados. Repetir este desempenho no Brasil está totalmente descartado, mas se alcançasse um volume próximo das 25 mil unidades anuais do City já seria encorajador. Vale lembrar que o novo sedã da Toyota usa a mesma base - plataforma "B" - do Corolla, o que facilitaria sua nacionalização. #Negócios #Automobilismo