Apesar de didaticamente recusada nos ambientes educacionais como uma estratégia incorreta, no segmento social a cultura da recompensa cresce com o tempo. No ano de 2015 ela deve encontrar ambiente fértil onde sementes serão plantadas, devido à evolução tecnológica, principalmente aquela que deverá ocorrer com os dispositivos móveis. As pessoas estarão tão ocupadas com seus negócios, que não haverá mais tempo em sua vida para certas atividades que serão delegadas para os "personal assistants" atuantes em diversas áreas das ocupações humanas pessoais ou profissionais. Alguns destes assistentes são anônimos em sites os mais variados que oferecem pontos quando são acionados.

Publicidade
Publicidade

Ganha o operador e ganha o cliente. O Teletrabalho tem a sua hora e a sua vez cada vez mais próximas.

Para quem já ouviu falar. A primeira e grande investida são os programas de fidelidade. Veja o que acontece com as operadoras de telefonia celular como exemplo. Companhias aéreas já trocam pontos por produtos e a febre se espelha para o e-commerce como uma praga que causa preocupações. O Bitcoin, um dos exemplos do que vem aí pela frente em termos de novas moedas começa a apresentar resultados e há fornecedores de tecnologia (leia-se IBM) que pensam em sua utilização extensiva para breve.

Este acúmulo de pontos para troca é aceito sem restrições pelas pessoas. Os programas Multiplus e Dotz são outros exemplos. Com eles os proprietários dos cartões de crédito sorriem satisfeitos por poderem explorar ainda mais os seus clientes (estamos falando em termos brasileiros, há locais em que a usura é controlada).

Publicidade

Imagine os brasileiros, consumistas e perdulários por cultura, ou pela falta dela, recebendo a cada real gasto certo número de pontos. Ao completar os pontos necessários, você poderá comprar aquele ar condicionado que funciona tanto para refrigerar, quanto para acalorar o ambiente.

Estas operadoras acabaram criando as suas próprias lojas virtuais, aproveitando para diminuir o benefício concedido para o varejo e atacado e, assim, ganhar mais eliminando um intermediário voraz e nem sempre ético. Está se tornando comum o cliente virtual ou não perguntar no balcão de compras: o que eu ganho comprando de vocês.

São Paulo inova em termos de recompensa na cobrança de impostos, na exigência de nota fiscal para cada compra, prometendo auxilio para instituições de caridade e remuneração em uma conta bancária que você abre e que é movimentada pelo governo. Uma conta na qual o cliente somente recebe, que bom se sempre fosse assim.

Para quem está na rede agora e for fazer alguma compra, procure uma loja que tenha convênio com algum clube de facilidades ou de vantagens, há casos em que suas despesas podem ser reduzidas em quase um terço do valor, para as coisas mais caras. Aproveite e, de bitcoin em bitcoin, engorde sua poupança. Sua viagem de final de ano estará garantida, sobre a qual é claro, não existirão benefícios. #Finança