O mar não está para peixe e com o mercado retraído, cada um busca como pode uma maneira de ganhar dinheiro pra seguir em frente.

Existem hoje oportunidades de #Trabalho pela internet para quase todas as áreas. No mundo moderno, podemos trabalhar de casa, prestar serviços para alguém que está bem longe, em outra cidade ou até outro país.

No caso específico para trabalhos relacionados a área jurídica, existem alguns sites que oferecem um banco de dados de profissionais qualificados, que podem prestar todo tipo de serviço jurídico. Esses profissionais são comumente chamados de correspondentes jurídicos.

Esse intercambio profissional agiliza as entregas e faz com que o custo de um processo seja menor.

Publicidade
Publicidade

Pense comigo: você mora em Porto Alegre e uma das causas que você pegou tem ações em Belém do Pará. Imagina o custo de deslocamento e hospedagem para uma pessoa, de Porto Alegre até Belém. Fica muito mais barato contratar um profissional de lá, que ainda por cima conhece o funcionamento local, as pessoas, e pode te ajudar de forma muito mais eficiente.

Segundo o site Mais Correspondentes, um profissional de direito, que trabalha como correspondente jurídico, pode acrescer seus ganhos mensais em mais de R$1.900,00. Claro que esse valor depende do tanto de trabalhos você consegue pegar.

Sites com essa função, têm um banco de dados abrangente, com afiliados em todo o país, facilitando a troca de serviços. Costumam ser gratuitos para quem busca um correspondente jurídico. Já para o advogado correspondente, existem planos que variam de acordo com o tempo de afiliação.

Publicidade

De acordo com o site, o retorno do investimento é feito com um ou dois trabalhos conquistados.

Enfim, sites como esse funcionam como redes sociais bem focadas, e especializadas para esse tipo de serviços. Para quem ser contratado é importante manter um bom perfil, com informações sempre atualizadas.

É  a tecnologia a favor de quem quer realmente trabalhar e ajudando quem precisa de auxílio e muitas vezes nem sabe a quem recorrer. #Justiça