O número de pessoas empregadas na indústria brasileira caiu 5,1% em março em comparação ao mesmo período em 2014. É a quadrigésima segunda queda, o que representa que há 3 anos e meio o nível de emprego no setor só vem caindo, e esse índice de queda é o maior desde outubro de 2009, segundo o site de notícias UOL.

Se for levado em consideração o primeiro trimestre desse ano, o valor também nos aponta uma expressiva queda de 4,6%, um ritmo de recuo pouco mais acelerado do que o mesmo período em 2014 que foi de 4,4%. Mantendo o acumulado dos últimos 12 meses a trajetória de queda representa 3,9%.

A queda foi observada em todos os setores da indústria, os que mais tiveram significativa queda foram: aparelhos eletrônicos e comunicações (-10,2%), meio de transporte (-10,0%), outros produtos da industria de transformação (-8,1%).

Publicidade
Publicidade

O nível de valor na folha de pagamento do funcionário da indústria teve uma pequena melhora de 0,1%, mas nada que apague o péssimo desempenho no acumulado de 12 meses, onde o nível de ganho do trabalhador desse setor teve um recuo de 5,2%.

O fraco desempenho da indústria vem mostrar que de fato a #Crise econômica que assolou o mundo nos últimos anos finalmente resolveu dar as caras no Brasil.

Visivelmente com um poder de compra menor, o brasileiro tem consumido cada vez menos ou pelo menos quando consome não compra produtos do mesmo valor que adquiria há anos, junta -se a isso a indústria brasileira sempre se mostrou vulnerável à crises muito em conta de uma falta de política que defenda o setor.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ainda não nos apresentou os resultados do setor de comércio e serviços, mas nos últimos anos esses dois setores têm sofrido bem menos tanto no nível de emprego quanto no nível da renda.

Publicidade

Quanto à indústria, o setor parece estar abandonado a própria sorte e não há sinais de melhora em curto prazo.

O Brasil precisa achar o caminho novamente no mercado externo e encontrar novos acordos que voltem a dar sobrevida a nossa indústria, como o assinado essa semana pela presidente Dilma Rousseff com a China. #Negócios #Desemprego