Na contramão da onda dos utilitários-esportivos (SUVs), a Volkswagen está relançando, no Brasil, sua perua média que antes atendia por Jetta Variant e, agora, troca de prenome, passando a se chamar Golf Variant. Na verdade, trata-se da nova geração do modelo que já era vendido por aqui e, portanto, não há nada de tão diferente na estratégia da marca. São duas versões: Comfortline (a partir de R$ 87.490) e Highline (a partir de R$ 95 mil), ambas equipadas com motor turboalimentado (1.4 litro 16V) de 140 cv, combinado ao câmbio pré-seletivo (DSG) com embreagem dupla e sete marchas.

O leitor mais atento já deve ter percebido que, recentemente, as peruas perderam espaço.

Publicidade
Publicidade

Nos últimos cinco anos, o segmento encolheu mais de 70%, no país, não foi à toa que a oferta também foi reduzida, de 16 modelos, em 2010, para seis, neste ano - entre os "made in Brazil", apenas Palio Weekend e Volkswagen SpaceFox seguem em linha, com suas respectivas derivações. O que pouca gente se deu conta é que o lançamento do Golf Variant prepara terreno para uma investida da VW contra os SUVs.

No segundo semestre do ano que vem, a perua ganha a companhia de sua irmã aventureira, a Alltrack. Seu desembarque, por aqui, acontece pouco depois de ela ser lançada nos Estados Unidos. "É o que nossos clientes e nossos concessionários aguardam, ansiosamente", disse o diretor-executivo da subsidiária norte-americana, Michael Horn. "Temos que incrementar nossos volumes e faremos isso a partir de março do ano que vem, com este modelo", acrescentou.

Publicidade

Aqui, não será diferente.

No Brasil, ninguém fala sobre a chegada da Alltrack, mas enquanto ela não desembarca no país, a VW fará frente aos novos SUVs compactos com um produto bastante versátil.

O Golf Variant mantém a mesma distância entre-eixos do médio-compacto, 2,63 metros. Por dentro, suas dimensões também são muito parecidas com as do Golf, apesar de a perua ser 30 cm maior. O ganho, aqui, se concentra no porta-malas, que tem capacidade volumétrica de expressivos 605 litros, podendo chegar a 1.620 l, com o encosto traseiro rebatido. Como o leitor pode ver, trata-se de um clássico automóvel para famílias, bem diferente dos utilitários-esportivos compactos, que são mais apertados em todos os sentidos.

Nesta nova geração, o Golf (ex-Jetta) Variant emagreceu bastante e os 140 cv do propulsor TSI dão conta de seus pouco mais de 1.300 quilos, sem sofrimento. A versão Highline é calçada com pneus 225/45 aro 17 que, apesar do perfil muito baixo, deixam a perua com um estilo mais dinâmico, além de garantir boa aderência em qualquer tipo de piso.

Publicidade

A versão "de entrada", Comfortline, oferece banco do motorista com ajuste de altura, volante multifuncional (opcional) regulável, direção com assistência elétrica, ar-condicionado com saída para o banco de trás, trio elétrico, sistema multimídia com tela sensível ao toque de 5,8 polegadas, rádio com CD, leitor MP3, entradas auxiliar e para SD-Card, viva-voz Bluetooth para telefone celular, sensores crepuscular, de chuva (opcionais) e estacionamento, sistema Start/Stop, rodas de liga leve e faróis auxiliares, além do teto solar panorâmico (opcional) entre outros itens.

O pacote de segurança inclui controle eletrônico de estabilidade (ESP), bloqueio do diferencial (EDL), assistente para arranque em aclives (Hill Holder), monitoramento de pressão dos pneus, freios ABS com função multicolisão e assistente, além de sete bolsas infláveis. Agora, é esperar pela Alltrack! #Negócios #Automobilismo #Inovação