Neste último mês de abril, a taxa de juros de cartão de crédito foi de 12,02% a.m. para 12,14% a.m., isso mostra que o valor subiu para quase 300% ao ano, já que na taxa anterior resultava em 290,43% a.a. e passou a ser 295,48% a.a.

Segundo a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), a taxa de juros de cartão de crédito para o ano de 2015 é a maior desde o ano de 1999, quando o país enfrentava a alta dos juros, período em que o mesmo chegou a 13,45% ao mês, resultando em 354,63% ao ano.

Taxa de juros na área do comércio também sobe

A taxa de juros para o comércio também está em alta nessas últimas semanas.

Publicidade
Publicidade

A taxa que estava em 5,14% ao mês, ou 82,48% ao ano, agora está em 5,16% ao mês, obtendo assim 82,90% ao ano.

Até mesmo o comércio não tinha uma alta tão significativa desde o ano de 2011, quando a taxa de juros chegou a ser de 5,36% ao mês, resultando em 87,12% ao ano para os consumidores.

Já existia uma ideia de que os juros teriam aumento logo no começo do ano de 2015, quando o comércio e também indústrias apresentavam apenas resultados decadentes, o que resultou na demissão de vários brasileiros nos últimos meses.

Cheque especial opera com juros em alta

Para quem está sofrendo com a crise econômica, e principalmente para quem perdeu o emprego nos últimos meses, as opções de cartão de crédito e cheque especial são as piores que se pode encontrar.

Os juros do cheque especial, que já não eram baixos, agora subiram de vez, passando de 9,64 ao mês (e chegando a 201,74% ao ano), para 9,74% ao mês (o que resulta em 205,06% ao ano).

Publicidade

O Brasil não sofria com isso desde 2003, quando no mês de Junho daquele ano os juros foram a 9,79% ao mês ou 206,73% ao ano.

Para os coordenadores da pesquisa realizada pela Anefac, isso pode ser atribuído ao atual cenário econômico, o que não apenas acaba por tirar mais dinheiro dos brasileiros, mas também aumenta ainda mais o número de inadimplentes.

Como se já não bastasse, os riscos de ocorrer uma elevação na taxa de juros básica e elevação nos índices de inflação são eminentes, o que tende a piorar cada vez mais a situação de quem está endividado. #Crise econômica