"O município vai parar e quem vai sofrer com isso é a nossa população!". A frase foi dita pelo prefeito de Carapebus, Amaro Fernandes dos Santos, em meio à reunião realizada no auditório da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Campos - CDL, na sexta-feira (26). No encontro realizado com a prefeita Rosinha Garotinho e o prefeito de Cabo Frio, Alair Correa, ambos mostraram-se preocupados com o futuro dos municípios de Carapebus, Campos dos Goytacazes e Cabo Frio, respectivamente. A prefeita de Campos, Rosinha Garotinho lembrou de frases pronunciadas anos atrás ao demonstrar preocupação com a #Crise do petróleo que estava por vir, e justificou a situação que encontrou em Campos.

Publicidade
Publicidade

- Quando eu assumi o #Governo em 2009, a dependência da prefeitura de Campos aos royalties era de pouco mais de 60%. Hoje é de 53%. Mas existem municípios na nossa região, cuja dependência é de mais de 90% - relata a prefeita.

A queda no preço do barril de petróleo tem sido um dos motivos mais divulgados pelos prefeitos para justificar as dificuldades que os municípios estão enfrentando em toda a região norte e noroeste fluminense. Diante da perda de receita os municípios foram obrigados a tomar medidas para equalizarem os gastos e ter condições de manter serviços em atividades.

Em Carapebus o prefeito Amaro Fernandes relatou que o impacto em sua cidade foi de aproximadamente 50% sobre a receita.

- Tivemos que fazer uma supressão em todos os contratos de manutenção.

Publicidade

Em todos os contratos de obras e paralisar algumas assistências que o município vinha dando porque a queda das receitas não nos dá condições de honrar os compromissos pelos quais o município vinha fazendo - disse Fernandes.

Diante da perda de receita a prefeita de Campos relatou que para reduzir os gastos públicos, foi obrigada a demitir inúmeros funcionários terceirizados.

- Dói o coração ter que demitir pessoas, mas nós demitimos. Fizemos uma supressão em todos os contratos da prefeitura em 25%. Diminuímos o tamanho da prefeitura assim como os salários dos cargos comissionados. Fizemos tudo que era possível fazer para segurar custeio e para reduzir o tamanho dos gastos da prefeitura, mas a conta não fecha - conta Rosinha.

Convidado para participar da reunião o prefeito de Cabo Frio, Alair Correa também contou o drama que vive em sua cidade.

- Nós tínhamos dois problemas. Um plano de cargos que foi feito para pagar na minha administração, e que implicou em gastos de R$ 375 milhões em dois anos e meio.

Publicidade

E R$ 300 milhões que nós perdemos, por conta da queda do petróleo - disse Correa.

O encontro "Cenário Econômico: alternativas para superar a crise" realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Campos dos Goytacazes, RJ, foi utilizado para mostrar à sociedade de que forma o ex-Governador do Estado e atual secretário de Governo da PMCG, Anthony Garotinho, criou todo este mecanismo do adiantamento de receita para suprir a queda dos royalties, cujo projeto foi aprovado recentemente pelo Senado. #Petrobras