Algumas montadoras apostaram todas suas fichas nos utilitários-esportivos (SUVs) para fugirem da #Crise que, só no primeiro semestre deste ano, puxou o mercado brasileiro de automóveis para uma retração de quase 20%. Mas enquanto a Honda vem nadando de braçada com seu HR-V, que desbancou o EcoSport da sua liderança cativa, e a Jeep comemora o bom desempenho do Renegade, a maioria das marcas contabiliza perdas. É que entre janeiro e junho, a categoria registrou queda de 4,4% em relação ao mesmo período de 2015.

“Além de problemas como o desemprego e inflação, estamos sofrendo com a onda de pessimismo”, disse o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Alarico Assumpção Jr.

Publicidade
Publicidade

“Até agora, perdemos o equivalente a todo o volume mexicano neste ano, só entre carros de passeio e comerciais leves”, acrescentou.

No mês passado, o HR-V registrou alta de quase 5% em relação a maio e mais de 5.200 unidades licenciadas, o Renault Duster teve uma recuperação impressionante e crescimento de 38,4% – aqui, vale citar que das 3.482 unidades emplacadas pelo Duster, 2.157 corresponderam a vendas diretas – enquanto o Renegade marcou ganhos de 22,7% no mesmo período, o maior dentre todos os SUVs.

Mas os utilitários-esportivos não farão milagres. Quando Honda, Jeep, Renault, Peugeot, JAC e Suzuki apresentaram suas novidades, as estimativas comerciais dessas seis montadoras jogavam os números da categoria para as nuvens. Se todas as previsões fossem alcançadas, o SUVs ultrapassariam as 600 mil unidades, neste ano.

Publicidade

Mas ao que tudo indica, o segmento não chegar nem a 320 mil unidades. “No geral, projetamos uma queda de quase 24% para o mercado, até dezembro”, avalia Assumpção.

A única boa notícia, aqui, é que a participação desses modelos no mercado brasileiro vem subindo – e muito. Em 2014, os utilitários-esportivos responderam por 10,7% das vendas nacionais. Em junho, essa fatia já era de 15,9%, mais que o dobro da participação que os SUVs tinham em 2010 – na época, 7,6%. Apesar da queda em relação ao ano passado, os volumes saltaram de 96.610 unidades para mais de 133 mil, de lá para cá.

Na disputa interna do segmento, o HR-V lidera com participação de 19,2%, seguindo por Duster com 12,8% (no ano passado, o Renault tinha 15,9%), Renegade com 11,2% e EcoSport com 9,6% (tinha 18,5%, em 2014). O Peugeot 2008, com modestíssimos 2,8%, segue como a grande decepção da classe. #Negócios #Automobilismo