O lançamento do Up! TSI, da Volkswagen, acontece em tom de "déjà vu", repetindo uma estratégia que, no passado, não deu tão certo quanto o esperado.

Quem se lembra do Gol e da Parati 1.0 16V Turbo sabe que o sonho de um popular turbinado não é, exatamente, algo novo entre os brasileiros. Bom, quem tentou realizá-lo, no ano 2000, acabou vivendo um pesadelo porque a dupla ficou apenas dois anos em cartaz e, apesar do pacote técnico avançado para a época, acabou se transformando em um dos maiores micos do mercado nacional por causa de problemas com o comando de válvulas e o alto custo de manutenção. Partiu sem deixar saudades.

Disponível para as versões Move, High, Black, Red e White, além da Cross e da nova Speed do Up!, a motorização TSI aposta nos mesmos predicados que Gol e Parati já traziam, há exatos 15 anos.

Publicidade
Publicidade

O maior deles é a combinação de performance e economia, apoiada em um pacote técnico inédito em sua classe, afinal seu propulsor multiválvulas (12V) de três cilindros é o primeiro 1.0 litro produzido no Brasil dotado de injeção direta e turbocompressor. Isso, sem falar na flexibilidade, algo impensável na época do Gol e da Parati.

Com as versões TSI turbinando as vendas em 20%, a VW espera que a participação do Up! no mercado nacional salte de menos de 3% para 5%.

"A nova motorização agrega mais valor ao Up! e deve aumentar sua fatia do bolo", avalia o vice-presidente de marketing da subsidiária nacional, Jorge Portugal. De acordo com o diretor de vendas da marca, Ivan Segal, uma pesquisa feita com clientes que declinaram do compacto revelou que o fato de ele não oferecer propulsores mais potentes que seu 1.0 litro 12V, de 82 cv, pesou contra na hora da escolha.

Publicidade

"Ele é visto como um modelo sem potência", disse o executivo.

Com 105 cv (obtidos com uso de álcool como combustível), o Up! TSI fica um pouco abaixo dos 112 cv (obtidos com uso de gasolina) do extinto Gol 16V Turbo. Aqui, o novo compacto leva vantagem em força, com torque de 16,8 mkgf a 1.500 rpm, contra 15,8 mkgf a 2.000 rpm do antigo Golzinho. Em termos de performance, o Up! leva ainda mais vantagem, necessitando de 9,1 s para acelerar de 0 a 100 km/h, contra 9,6 s do primo, que alcançava velocidade máxima maior, de 192 km/l, contra 184 km/h do caçulinha.

Mas é no campo da eficiência que a tecnologia mais conta pontos a favor do Up!, com ganhos de até 20%. Com uso exclusivo de gasolina, o novo compacto faz médias urbana de 13,8 km/l e rodoviária de 16,1 km/l (contra 11,5 km/l e 16,5 km/l, respectivamente, do antigo Gol 16V Turbo). Como tudo tem seu preço, enquanto o Golzinho custava entre R$ 24.210 (básico) e R$ 31.625 (completo), as versões TSI partem de salgados R$ 43.490.

Publicidade

Durante a apresentação oficial do Speed Up!, que tem preço sugerido de assombrosos R$ 50 mil, e das versões TSI, o novo presidente da VW brasileira, David Powels, resumiu bem o objetivo da marca: "Estamos redefinindo o conceito de popular, no país", afirmou o executivo. Pelo menos em relação a valores, Powels está mais do que certo. #Automobilismo