A Agência Nacional de Energia Elétrica informou que a bandeira tarifária na cor vermelha irá continuar na cobrança da conta de luz. Os brasileiros continuaram sendo multados e pagando mais caro pela energia consumida. Foi aprovada a redução de 18% na cobrança adicional, que passou de R$ 5,50 para R$ 4,50 a cada 100 khW (quilowatts-hora) consumidos.

A mudança foi aprovada por conta da melhora do regime de chuvas e da redução do consumo de energia, devido a desaceleração econômica e também permitiu o desligamento das térmicas de maior custo. Em relação a tarifa paga pelos consumidores, a Aneel calcula uma econômica de 2% a menos na conta de luz. 

O ajuste fiscal feito pelo #Governo de Dilma Rousseff, com o objeto de equilibrar as contas, contribuiu para o aumento nas contas de luz em 2015, isso porque, o governo decidiu passar para os consumidores todos os impostos, com custos de programas e ações do setor elétrico.

Publicidade
Publicidade

Depois que foi aprovada a bandeira tarifária na conta de luz, o valor subiu em quase 90%. Muitos consumidores reclamam do aumento e se queixam que sempre são multados com a bandeira vermelha na conta de luz. 

Na conta de luz, a bandeira verde indica que a situação está normal, e que não há cobrança a ser paga, a amarela indica uma multa de R$ 1,50 a cada 100 khW, e a vermelha a taxa mais alta, de R$ 3, que agora é R$ 4,50 a cada 100 khW, depois do ajuste que trouxe o aumento na conta de luz. No início de agosto, o governo anunciou o desligamento de 21 usinas térmicas de maior custo, o que deve gerar uma economia mensal nas operações de ordem de R$ 5,5 bilhões.

Além do aumento no setor elétrico, o brasileiro sente no bolso o aumento de outros setores, como de serviço e produto, o que fez o consumo diminuir devido ao aumento dos impostos.

Publicidade

Consumir está realmente muito caro, e com a conta de energia alta, o que resta é encontrar alternativas para enfrentar a #Crise e reduzir os custos de consumo do dia a dia. Mudar os hábitos de consumo de energia pode ser uma alternativa para economizar.  #Crise econômica