Nelson Barbosa, ministro do Planejamento, anunciou na manhã desta segunda-feira, 24, que o governo brasileiro vai ter que reduzir 10 ministérios. Atualmente são 39, mas em breve este número cairá para 29 ministérios e a medida é por casa do pacote de reforma administrativa, que foi apresentado aos ministros que se reuniram com a presidente #Dilma Rousseff recentemente.

Os 10 ministérios que serão extintos ainda não foram anunciados, mas até o final do mês de setembro eles serão informados.

Barbosa informou que a intenção do governo é cortar 10 ministérios e há várias propostas para que se consiga atingir este objetivo. Ainda segundo o ministro do Planejamento, todos os envolvidos serão ouvidos e, até o presente momento, nenhum ministério está previamente definido para ser cortado.

Publicidade
Publicidade

E os cortes não vão parar por aí, pois várias estruturas internas de ministérios, órgãos e autarquias também serão afetadas, precisando reduzir secretarias, cargos comissionados e as prestadoras de serviços com o governo terão que ter os contratos revistos, principalmente as prestadoras de serviços ligados a limpeza e transporte. Neste contexto, mais de 20 mil pessoas poderão ser demitidas, ou terem o contrato redigido, de forma mais “enxuta”.

Ainda não se sabe qual será a economia obtida pelo governo com o corte de 10 ministérios, mas Barbosa informou que esta reforma é necessária e urgente para que o governo possa administrar melhor os seus gastos diante da nova realidade orçamentária do Brasil. O ministro ainda informou que, com os cortes destes ministérios, o país vai melhorar em termos de produtividade e isto é de fundamental importância neste período de crise.

Para que as reformas administrativas aconteçam, vai depender de vários projetos de lei, decretos e também de portarias, ou seja, não há uma data prevista para começar a eliminar os ministérios, até porque, o primeiro passo é fazer um estudo e conversar com todos eles para saber, finalmente, quais serão os 10 ministérios a serem excluídos do Governo Dilma.

Publicidade

#Corrupção #Crise econômica