Em 15 anos é a primeira vez que o comércio do Brasil registra cinco meses de queda ininterruptos. Desde que os números do varejo brasileiro começaram a ser analisados, em 2000, é a primeira vez que o fato é registrado. A dificuldade no crédito, o desemprego e a #Crise econômica são fatores apontados para o péssimo feito conseguido. Os dados foram divulgados hoje (12) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e deixam as esperanças em uma retomada na economia mais distantes.

A queda acumulada somente em 2015 é de mais de 2% e a baixa confiança dos consumidores faz o quadro ficar ainda mais preocupante. De acordo com reportagem do G1, a gerente do IBGE Isabela Pereira afirmou que os números mostram que a queda na renda das famílias originou dados ruins para o comércio.

Publicidade
Publicidade

Com tantas notícias ruins fica difícil fazer com que os consumidores comprem e o alto endividamento das famílias brasileiras piora ainda mais os índices.

Os setores que mais sofrem com a desaceleração da economia são o automotivo, o de móveis e o de eletrodomésticos. O aumento na taxa de juros traz uma consequência rápida para os ramos onde o consumidor paga um valor mais alto pelo bem, que é o caso dos setores citados. Móveis e eletrodomésticos estão vendendo cerca de 15% a menos em 2015 e puxaram os índices para baixo.

O aumento considerável do desemprego e a consequente queda na renda das famílias brasileiras também está levando o setor de hipermercados a amargar péssimos números em relação as suas vendas. Em relação a 2014, as vendas desse ano são quase 3% menores e sem previsão de subida em um curto prazo de tempo.

Publicidade

A recessão econômica que o Brasil enfrenta parece estar só começando e o PIB (Produto Interno Bruto) terá índice negativo em 2015 e está previsto que fique em 0% para 2016.

Leia mais notícias sobre a economia

Renan Calheiros apresenta propostas que prometem reerguer o Brasil e tirar a economia da recessão. Clique aqui e leia mais.

Inflação em 2015 será a maior em mais de 10 anos no Brasil. Para ler a notícia completa clique aqui.

Fábrica da Mercedes em São Bernardo do Campo/SP dispensa 7.000 funcionários e paralisa produção. Saiba mais clicando aqui. #Governo #Crise econômica