O financiamento dos imóveis novos e usados através do sistema bancário, ficou mais difícil desde a queda do Brasil no rating da agência de classificação de riscos Standard & Poor's ( S & P ).

A fuga de capitais do mercado financeiro brasileiro encarece o custo do dinheiro no país, desencorajando as instituições financeiras em conceder crédito para os consumidores.

Quando a situação financeira da população se mostra frágil, os bancos começam a prever um provável calote dos clientes e passam a cobrar juros mais altos e diminuir os prazos para minimizar os riscos, o mesmo acontece com o Brasil no mercado internacional.

"O mercado imobiliário deve sofrer com menos dinheiro e uma retração do poder de compra da população", afirmou o economista Raone Costa, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE).

Publicidade
Publicidade

Apesar das ações do governo para reverter a situação, o mercado econômico não vê com bons olhos a velocidade das decisões e a pouca comunicação interna, como consequência as bolsas de valores, já prevendo o rebaixamento das notas de algumas empresas e instituições financeiras do país, sentiu a retirada do grau de investimento das empresas e teve queda considerável, sendo puxada pelas ações da Petrobrás, que além do rebaixamento, colocou a empresa em grau "negativo" o que prevê uma nova queda da sua nota em breve.

Mas nem tudo é notícia ruim nesse mercado. Com a diminuição da demanda e a manutenção e até um aumento da oferta, há uma tendência natural na redução de preços das unidades, Os empreendimentos que foram lançados ao longo dos últimos anos e que estão sendo entregues nesse período de crise, podem se renegociados com vantagens para o consumidor.

O grande temor dos empreendedores e construtores é um novo rebaixamento da nota do Brasil por outras agências de avaliação, o que não deve acontecer tão cedo, mas é dado como certo caso o governo continue sem atuar para mudar essa perspectiva, diz o economista Raone Costa da FIPE, opinião que é compartilhada pelo mercado e pelos bancos.

Publicidade

#Desemprego #Crise #Crise econômica