Enquanto a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) refaz sua previsão para o fechamento deste ano, General Motors e Jeep comemoram os bons resultados do compacto Onix e do utilitário-esportivo (SUV) Renegade, em meio à crise que derrubou os números do mercado brasileiro. Enquanto as vendas do setor registram queda de quase 23%, no acumulado dos oito primeiros meses de 2015, o Chevrolet celebra a conquista da liderança nacional em agosto. Com 10.998 unidades licenciadas no período, o Onix ultrapassou o Fiat Palio pela primeira vez, aparecendo no ponto mais alto do pódio.

Em novembro do ano passado, o compacto da GM venceu a primeira edição do “Maior Valor de Revenda”, prêmio criado pela AutoInforme que aponta os usados com menor depreciação.

Publicidade
Publicidade

Agora, ele mostra sua força também entre os zero-quilômetro. Mas o cenário ainda é de temor: “Em termos de volumes, voltamos para patamares de dez anos atrás e 347 concessionários já fecharam suas portas”, calcula o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr.

Para a MB Associados, que analisa os indicativos do setor para a Fenabrave, o mercado só deve se recuperar em 2017. “A onda de demissões deve continuar e, com isso, o aquecimento anual que temos com o pagamento do 13º salário para os trabalhadores deve ficar muito abaixo da média”, avalia a diretora da consultoria, Tereza Maria Dias. “A confiança dos consumidores só deve ser retomada depois das eleições do ano que vem”.

Já entre os SUVs, o novo queridinho do Brasil, o Honda HR-V, segue firme na liderança, mas o Renegade, que chegou a patinar nos primeiros meses de mercado, se firma na segunda posição da tabela, deixando o Ford EcoSport e o Renault Duster cada vez mais para trás – no acumulado deste ano, o Jeep ainda aparece atrás da dupla, mas se contabilizarmos apenas os meses subsequentes ao seu lançamento, não tem para EcoSport nem para o Duster.

Publicidade

Em agosto, o Renegade alcançou 16,4% de participação no segmento, apenas três pontos percentuais atrás do HR-V.

Apenas para o leitor ter uma ideia, no mês passado, EcoSport e Duster ficaram com fatias de 10,6% e 10,7%, respectivamente. Nascido como mico, o Peugeot 2008 segue com volumes comerciais muito abaixo da previsão da marca do leão. Em abril, durante seu lançamento, o diretor de marketing, Frederico Battaglia, afirmou que a expectativa era de “1.000 unidades por mês”, mas o ‘crossover’ não consegue sair da casa de 700 veículos mensais. #Negócios #Automobilismo #Blasting News Brasil