Não tá fácil para ninguém! Nem mesmo o maior grupo de comunicação do Brasil e um dos maiores conglomerados do mundo, o 'Grupo Globo', conseguiu suportar a crise que atinge o país. Os telejornais da emissora se viram obrigados a nessa quinta-feira, 10, noticiarem que a empresa sofreu um rebaixamento em sua nota de crédito. A mudança foi feita pela agência Standard & Poor´s, uma das mais respeitadas do planeta. Além de perder crédito, o grupo foi "obrigado" a dizer em seus telejornais o fato. No 'Jornal Nacional', 'Jornal Hoje' e até na Globo News, o rebaixamento da empresa teve destaque. O objetivo da Globo com o anúncio é afastar qualquer possibilidade dos opositores em dizerem que a rede de TV apóia o #Governo da presidente da república #Dilma Rousseff

O rebaixamento, no entanto, ainda mantém o grau de investimento do Grupo Globo, mas coloca a empresa em uma posição inferior da que estava antes, apesar de ainda ser vista como atraente para os investidores.

Publicidade
Publicidade

A queda aparece em um momento que o Grupo bateu recordes de receita. Em 2014, por exemplo, o faturamento foi de impressionantes 16 bilhões de reais. O lucro chega quase a R$ 3 bilhões, se mantendo assim como o maior grupo de comunicação do país. Apesar de ainda ganhar muito dinheiro, a emissora se vê em um momento decisivo de sua vida comercial, se vendo pela primeira vez ameaçada pelas concorrentes, especialmente a TV Globo, que já não mantém a mesma distância confortável do passado para a Record e o SBT. 

 

O rebaixamento do Grupo Globo foi apenas uma das muitas medidas que as agências internacionais estão fazendo depois que o próprio Brasil foi colocado como um mau pagador. A bolsa caiu com a notícia e o dólar beirou os R$ 4, maior valor em mais de uma década. Além da Rede Globo, o Grupo Globo, que no passado era conhecido como 'Organizações Globo', é formado pelo Zap Imóveis, Globo.com, GloboSat, Som Livre, Editora Globo, InfoGlobo, Editora Globo e Sistema Globo de Rádio.

Publicidade

Além do grupo de comunicação, outras empresas, como a Petrobrás, também sofreram rebaixamento parecido. Ainda assim, os irmãos marinho tem uma fortuna próxima aos 100 bilhões de reais. Nada mal, né?