presidente Dilma Rousseff e sua equipe econômica pensam em legalizar os #Jogos de azar, como forma de aumentar a arrecadação.

Conforme publicado no jornal Folha de S.Paulo, o assunto foi uma das pautas abordadas na reunião ocorrida, hoje, 17, no Palácio do Planalto, entre Dilma, seus ministros e líderes da bancada governista, na Câmara.

Dilma solicitou aos parlamentares da base aliada que verifiquem, junto as suas bancadas, qual seria a receptividade caso os jogos de azar fossem legalizados. Segundo o deputado Mauricio Quintela Lessa, líder da bancada do PR (Partido da República), de Alagoas, que esteve na reunião com a presidente, a maioria dos líderes participantes foi a favor.

Publicidade
Publicidade

A sugestão de legalizar esses tipos de jogos partiu dos senadores governistas, que participaram de encontro com Dilma, na quarta, 16 e parece que a presidente gostou, pois vislumbrou uma alternativa para reforçar os cofres públicos.

Em tempos de vacas magras, vale tudo para tentar aumentar a receita. O governo está passando o chapéu na tentativa de aumentar a arrecadação. Primeiro foi o anúncio do pacote fiscal, que diante de tanto burburinho por causa da elevação dos impostos, está difícil de ser aprovado no Congresso. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, já declarou não ter pressa para colocar o orçamento para 2016, em votação.

A CPMF, que está dando o que falar, e que o governo propôs alíquota de 0,2%,  tem agora o lobby dos governadores para seja alterada para 0,38%. E a razão é simples.

Publicidade

Os estados também querem um pedaço do bolo. 

Agora, a ideia de ressuscitar os cassinos, bingos, jogos pela internet e tantos outros jogos que a nossa imaginação possa inventar, parece estar tomando força, em Brasília. Na verdade, a ideia não é nova. No início do primeiro mandato de Lula, jogos como bingo foram considerados como novas fontes de arrecadação e o presidente era favorável. O projeto não prosperou  porque estourou o escândalo do Waldomiro Diniz, ex- assessor da Casa Civil, que foi flagrado cobrando propina de Carlos Cachoeira, o rei dos bingos.

Recentemente, em junho,o deputado Nelson Marquezelli (PTB/SP) desengavetou projeto de lei, de 1991, que propõe, exatamente, a legalização dos jogos de azar. Foi criada, inclusive, uma comissão especial para tratar o assunto, mas ao que parece, não caminhou. Na época, era ação isolada de um deputado, mas agora tem o apoio do governo, pela força da necessidade de elevar a arrecadação e melhorar as contas públicas. Resta saber se Eduardo Cunha compra a ideia. #Crise econômica