O governo federal já anunciou que fará cortes através de um pacote me medidas que visa economizar R$ 134 bilhões e assim aumentar a receita para que seja possível cobrir o rombo no orçamento do ano que vem que será de aproximadamente R$ 30 bilhões. O pacote de medidas para economizar inclui adiar o ajuste dos salários dos servidores públicos, a suspensão de novos concursos e a suspensão de certos benefícios, como o caso do abono permanência.  

Fora isso, o governo também estuda a possibilidade de voltar com a CPMF. A CPMF é um imposto do cheque que renderia ou #Governo R$ 32 bilhões. De acordo com o ministro da Economia, esse imposto pode ficar vigente por no máximo quatro anos.

Publicidade
Publicidade

 

O adiamento do ajuste dos salários dos servidores públicos representa uma economia de R$ 7 bilhões do que seria um gasto obrigatório do governo. Isso ainda depende da negociação que será feita com o funcionalismo público, mas a proposta é que o reajuste deixe de ser feito em janeiro e seja realizado em agosto do ano que vem.  

A suspensão de novos concursos é válido para os três poderes e representa uma economia de R$ 1,5 bilhão.  

O Abono de Permanência é até então um benefício pago para servidores públicos que podem se aposentar, mas desejam continuar contribuindo e trabalhando. O corte ainda depende de emenda constitucional, mas pode representar uma economia de R$ 1,2 bilhão.   

Concursos que podem ser suspensos  

Um dos concursos mais esperados é o da Advocacia Geral da União que visa preencher 84 vagas, porém o pedido pode ser suspenso.

Publicidade

A Aeronáutica também solicitou abertura de concurso para 34 vagas, sendo 9 para área técnica, 3 para a área de administração e 22 para área de engenharia, o pedido pode não ser atendido.  

A Anac também solicitou concurso para preencher 150 vagas, sendo 15 para técnico administrativo, 45 para técnico em regulação de aviação, 25 para analista administrativo e 65 para especialista em regulação de avião.  

Outro órgão afetado pelo corte é a ANS que disponibilizaria 102 vagas, sendo 66 para técnico administrativo e 36 para técnico em regulação de saúde suplementar. O INSS iria abrir 950 vagas, sendo 150 para analista do seguro social e 800 para técnico do seguro social. Outro concurso muito aguardado é o do MEC que disponibilizaria quatro vagas para técnico em radiologia, treze para técnico de laboratório, 167 para técnico em enfermagem, oito para fonoaudiólogo, sete para psicólogo, 20 para fisioterapeuta, 44 para enfermeiro e 58 para médico. #Crise econômica