Hoje aconteceu mais uma edição do Encontro de Bazares das Amigas de Maricá, na praça da Rinha, Centro. O local ficou cheio de mulheres que buscam uma saída para a #Crise na venda de roupas de marca, semi joias, bijuterias, sapatos e moda feminina, em geral.

As peças, que muitas vezes ficavam “encalhadas” em armários ganham novos donos a preços populares e o dinheiro das vendas ajuda a complementar a renda ou, no caso das mais esforçadas, até pagar todas as contas de casa.

Em entrevista para o jornal DIÁRIO DO LESTE, Raquel Rocha Silva explicou que criou o grupo na rede social Facebook buscando uma alternativa para não ter que ir a São Gonçalo vender.

Publicidade
Publicidade

Hoje, são mais de 900 mulheres que se reúnem na praça da Rinha.

“Como eu estava carregando muito peso para São Gonçalo, decidi fazer um bazar de amigas em Maricá. Montei um grupo no Facebook e, hoje, são 980 meninas inscritas que compartilham roupas e objetos que querem vender conosco. Não é necessário pagar nenhuma taxa e a entrega é realiza em datas que marcamos on-line aqui na praça. É tudo legal e pedimos para que não seja feita a venda de produtos piratas ou de baixa qualidade”, ressalta a vendedora e empreendedora.

Os valores variam entre R$1 a R$ 100 na maioria das peças em roupas que poderiam chegar até R$300. Raquel vê que na própria crise uma saída para limpar o armário, se livrar de roupas que nunca usou e lucrar mais do que pensou que poderia.

“A gente vê que a crise atrapalhou de um lado, mas ajudou de outro.

Publicidade

O bazar fatura mais hoje por causa dessa baixa na economia do nosso país”, disse ela.

Já Alessandra Soledade costuma levar cerca de 60 peças para o bazar a cada encontro. Ela, que está no grupo desde que nasceu, foi indicada por uma amiga.

“Eu comecei comprando mesmo por causa dos preços que vendem no bazar. Depois gostei da ideia e fui desapegando as minhas roupas e desapeguei as das minhas amigas. Ajudou a renovar o meu armário e complementar a renda”, falou a vendedora.

Este tipo de comércio só tem crescido no Brasil. No Jornal Nacional da última quarta-feira, dia 14, foi exibida uma reportagem a respeito de vendedores de São Paulo que fazem um bazar informal nas estações do metrô. O mesmo é feito na cidade de Niterói. Lá, os encontros com compradores são marcados no Plaza Shopping ou estação das barcas, na praça Araribóia, Centro. #Crise econômica #Crise no Brasil