Não tá fácil para ninguém, nem mesmo para um dos empresários mais carismáticos do país. Silvio Santos bem que tentou, mas o novembro em sua empresa de comunicação televisa, o SBT, será o novembro do terror. De acordo com informações do jornalista Daniel Castro em reportagem publicada nesta sexta-feira, 30, cerca de 120 funcionários serão demitidos do canal no próximo mês. O Complexo Anhanguera, em São Paulo, será um dos locais com o maior número de baixas, mas em outras cidades também devem rolar as demissões. 

Cortes no SBT fazem de 2015 um ano para ser esquecido

Todos os setores vão sofrer cortes. Por enquanto, apenas artistas serão poupados.

Publicidade
Publicidade

Com isso, os mais alto salários da empresa de comunicação vão continuar a demitir. Os cortes chegam a quase 5% do total de funcionários da emissora em seus canais próprios. 

Ao todo, o #SBT possui 2.700 pessoas que vestem a camisa da empresa e tem a carteira assinada pelo canal de Silvio Santos. Os cortes vão acontecer nas cidades de Nova Friburgo e Rio de Janeiro, municípios do estado do Rio, Jaú, Ribeirão Preto e São Paulo, municípios de SP, além de Belém, Porto Alegre e Brasília.

Com isso, 2015 se torna o ano com o maior número de demissões no mercado da televisão no país. A Bandeirantes e a Record também fizeram grandes cortes. Já a Rede Globo, decidiu enxugar programas e a partir do ano que vem fará produções mais longas, evitando assim despesas com cenários e de contratação e demissão de pessoal. 

O problema é que o futuro promete ser ainda pior.

Publicidade

Segundo fontes dos canais, 2016 deve ser igual ou pior do que o ano que ainda corre. Não há a menor perspectiva para que a economia brasileira se recupere tão cedo. O projeto de segundo horário da dramaturgia do SBT também deve ficar só para 2017. 

Apesar dos cortes de 5%, os clientes do SBT, que são os telespectadores, não devem sentir grande diferença ao assistir o canal. Isso porque a grade já contém muitos produtos prontos, além disso, as baixas no artístico foram praticamente zero.  #Desemprego #Crise econômica