A crise econômica que atinge o Brasil está atingindo diversas empresas. Algumas tentaram segurar as pontas até o limite, mas não conseguiram. Um dos maiores canais de televisão do país, o SBT, também fará dispensas de pessoal. As informações foram confirmadas nesta segunda-feira, 26, pelo jornalista Flávio Ricco. As principais demissões vão acontecer justamente onde a empresa tem mais contratados, nos estados de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. O jornalismo da emissora deve ser uma das áreas mais afetadas, seguidas da dramaturgia. De acordo com uma fonte ouvida pela Blasting News, dezenas de pessoas devem perder os seus empregos até o fim deste ano. 

Oficialmente, o SBT ainda não se pronunciou sobre o episódio.

Publicidade
Publicidade

No entanto, quem trabalha no Complexo do Anhanguera, em São Paulo, já percebe as primeiras alterações em prol da economia. Programas ao vivo, inclusive os noticiosos tem sido evitados. Já a renovação de contratos não tem tido alterações salariais corrigidas pela inflação, pelo contrário, os que continuam com suas carteiras assinadas recebem o mesmo valor de antes. 

Outras empresas de comunicação também farão cortes neste fim de ano

O SBT se junta a outros grupos de comunicação que não conseguiram passar pela crise sem fazer cortes. Um dos que anunciou mudanças em sua gestão, recentemente, foi a Record. A companhia pode demitir até 400 funcionários só no Rio de Janeiro. A ideia da empresa de Edir Macedo é terceirizar sua produção, poupando assim gastos. A Casablanca, uma produtora conhecida por fazer trabalhos terceirizados, ficará a cargo de vários produtos no RecNov. 

De acordo com fontes de sindicatos, a ideia é que os funcionários sejam demitidos e depois recontratados pela Casablanca.

Publicidade

O movimento de demissão e recontratação já começou. Férias coletivas também vão marcar este fim de ano na Record. Uma empresa também foi contratada para fazer uma pesquisa dos produtos que existem no RecNov, já que o local deve ser alugado pela Casablanca por pelo menos cinco anos.  #Desemprego